sexta-feira, 4 de outubro de 2013

NOVOS CONFRONTOS NO EGIPTO


A violência regressou às ruas do Cairo e também de outras cidades egípcias. Os apoiantes da Irmandade Muçulmana, após as orações de sexta-feira, voltaram a convergir para a praça At-Tahrir protestando contra a deposição de Mohamed Morsi e contra o governo militar. Segundo o PÚBLICO e outras fontes, registaram-se numerosos feridos e alguns mortos entre os manifestantes e as forças policiais.

O desassossego continua no país, já fortemente abalado económica e socialmente pelos acontecimentos dos dois últimos anos. É lamentável que os confrontos no Egipto e em outras nações árabes estejam a ser incentivados e comandados à distância por forças alheias aos interesses desses países.

Até quando?

4 comentários:

Zephyrus disse...

Enquanto o mundo árabe está em polvorosa, Portugal, Grécia e Espanha terão em 2013 um ano excepcional nos números do turismo. O sector turístico no Sul da Europa está a ser o grande beneficiado com a crise no Norte de África e no Próximo Oriente.

Zephyrus disse...

Seria interessante saber quem controla o turismo nos países árabes, se são empresários locais ou empresas europeias.

katespero disse...

Eu não seria tão idiota ao ponto de considerar que os operadores turísticos da Europa eram os responsáveis pela crise que assola os países no Magreb. Aliás, há países árabes envolvidos nesta crise como a Arábia Saudita, o Irão, os Emiratos e não apenas os EUA, Europa, URSS e os países da Europa, para além dos extremistas árabes.
José Maria Amador

Zephyrus disse...

Caro, nem disse que eram os operadores turísticos os responsáveis. Falei do sector apenas por ser uma das áreas económicas que tem sido mais afectada pela crise no mundo árabe. A subida verificada em Portugal, Grécia e Espanha deve-se maioritariamente à crise no Norte de África e Próximo Oriente. Saudações.