sábado, 19 de maio de 2018

AS TRÊS EUROPAS




O escritor judéo-francês Camille de Toledo escreve no nº 5 (Maio 2018) de "Le Nouveau Magazine Littéraire" um estimulante artigo com o título "Le conte des trois Europe".

Não sendo possível reproduzir aqui o texto integral,  transcrevo, pelo seu interesse, a descrição a que o autor procede das três visões do Velho Continente:

«Il y a trois Europe qu'il importe - je le comprenais alors - de séparer dans l'espoir qu'elles deviennent des forces politiques autonomes, structurant dans l'avenir le combat politique à l'echelle du continent. Afin que nous puissons y voir clair et réellement choisir. Une "Europe delorienne", une "Europe huntingtonienne" et une "Europe benjaminienne".

La première, delorienne - delorsienne -, nous ne la connaissons que trop, et elle est essoufflée, corrompue et compromise. C'est celle des "pères fondateurs", celle qui depuis le traité de Rome a cru, sans jamais l'expliquer, à la "théorie fonctionnaliste": l'Europe se consoliderait par la seule force de sa technostructure, de ses réglementations... Cette Europe a brodé idéologiquement une fable où la paix et la prosperité convolent. Elle poursuit l'image inatteignable d'un marché où chaque entité de capital et de travail sera finalement mise en concurrence avec toutes les autres. Cette Europe - du nom de son public servant le plus zélé, Jacques Delors -, protestante, systémique, est devenue pour des millions d'individus celle de la douleur. C'est en son nom que l'Espagne, la Grèce, la France... sacrifient leurs dépenses en matière de santé, d'éducation. C'est en son nom qu'un "capitalisme à l'européenne" se soumet à la messe américaine qui allie, depuis Woodrow Wilson, paix, libre-échange et nations. La critique de cette Europe a coïncidé avec une vue, disons, de gauche, et, en ce sens, elle n'est que trop bien documentée. Je n'y ajouterai qu'un éclair de profond désenchantement: la faillite de la promesse, lorsque la prosperité attendue se renverse en misère imposée et que l'Europe politique n'avance plus vers la démocratie, mais vers la confiscation...

La deuxième, l'Europe huntingtonienne, à la différence de la première avec laquelle elle entretient des rapports incestueux par l'alliage de plus en plus étroit du libéralisme et du nationalisme, est en pleine expansion. C'est le modèle de Huntington - le clash des civilisations - qui la soustend. Dans certaines de ses dérives, l'Europe huntingtonienne devient "breivkienne", du nom du militant d'extrême droite Anders Behring Breivik, auteur du massacre d'Utoya, dont la rhétorique est celle d'une croisade pour la défense des fondaments chrétiens de l'Europe, contre "l'islamisation" et le "multiculturalisme". Il n'y a qu'à lire le manifeste d'Anders Breivik - "Déclaration d'indépendance européenne, 2083" - pour voir que ses arguments coïncident avec les programmes de l'extrême droite européenne, de Jobik en Hongrie à l'AfD en Allemagne au Front national de France, au FPÖ en Autriche... À l'égard de cette Europe huntingtonienne, la delorienne fait preuve d'un douloureux aveuglement, quand il ne s'agit pas d'une franche et sourde complicité. Car c'est bien cette dérive identitaire, cette version civilisationelle qui est en voie, désormais, d'institutionnalisation: 1) l'hystérie d'une identité blanche qui assume de plus en plus ouvertement ses droits à la revanche; 2) la politique migratoire - Schengen, Frontex - qui est l'accomplissement, par le déni et une tactique du "laisser mourir" aux frontières, de ses voeux; 3) la définition d'une "Europe culturelle" dans les termes d'une "civilisation à défendre". Cet alliage entre nationalisme et libéralisme s'est récemment concrétisé en Autriche et se cherche, en France, par la voix d'un Laurent Wauquiez ou, en Allemagne, par la collusion entre le parti libéral et l'AfD. Au lieu d'un national-socialisme, une unité européenne qui se ferait sous la bannière cauchemardesque d'un national-libéralisme.

Face à cette recupération du projet européen par les forces nationalistes - cette synthèse du libéralisme et du nationalisme -, j'en viens à la troisiéme Europe - mon espoir. Celle-là, hélas! peine à se constituer comme force politique autonome tant elle a été, jusque-là, docilement solidaire de l'Europe delorienne. C'est celle que je nomme "benjaminienne" - sur les traces du philosophe juif allemand Walter Benjamin, et notamment de ce qu'il nous légua de l'esprit de traduction. Dans cette perspective, le "sujet européen" ne se pose plus comme un sujet culturel ou un héritier d'une certaine histoire. Il se comprend comme "passe-frontière" animé par l'esprit de la traduction. Cette Europe benjaminienne, ce fut celle des républicains espagnols fuyant l'Europe franquiste, celle des Juifs, des Tsiganes, des homosexuels, pourchassés par le Reich, celle des minorités migrants, des diasporas postcoloniales, des travailleurs déplacés, des exilés de toutes les nations... Cette Europe benjaminienne existait avant le traité de Rome, avant que les pères fondateurs ne lancent cette curieuse croyance: que l'économie suffirait à produire le politique. Cette Europe, c'est celle des mouvements féministes qui tentèrent de s'opposer aux passions des nations avant la Première Guerre, celle qui traça des routes de l'exil pour survivre.»

* * * * *

Este texto, ainda que passível de críticas, deveria ser meditado por todos os políticos europeus. A União Europeia, tal como conhecemos, encontra-se mergulhada num oceano de contradições e está próxima a hora da sua implosão. A falta de visão dos "pais fundadores", como o artigo aponta, consistiu em pensarem que através do económico resolveriam o político, o social, o cultural... Trágica ilusão! Acresce a esta falência "anunciada" a mediocridade dos dirigentes europeus das últimas décadas, incapazes de vislumbrarem um passo à frente do nariz, imergidos na corrupção, venais até ao âmago, ignorantes e incultos, pretensiosos e convencidos do valimento das suas políticas. Um verdadeiro desastre.

QUEM PUDER, APROVEITARÁ COM A LEITURA INTEGRAL DO ARTIGO.


quarta-feira, 16 de maio de 2018

SOB O SIGNO DE MARTE




Claude Michel Cluny nasceu em 2 de Julho de 1930 e morreu em 11 de Janeiro de 2015, com 84 anos. Poeta, crítico literário e romancista, é hoje uma figura praticamente desconhecida no meio literário internacional, mesmo no seu país. Nem sempre foi assim.

Autor de cerca de 50 livros, viajou pelos cinco continentes, de que testemunhou na sua obra. Colaborou em muitas publicações, entre as quais a "Nouvelle Revue Française", "Le Nouvel Observateur", o "Magazine Littéraire", "L'Express", "Le Figaro Littéraire, etc. Em 1989, recebeu o Grande Prémio de Poesia da Academia Francesa pelo conjunto da sua obra poética; em 2002, o Premio Renaudot (Ensaio) por Le Silence de Delphes (primeiro volume do seu Diário); e em 2012, o Prémio Europeu de Poesia Léopold Sédar Senghor pelo conjunto da sua obra.

Vem isto a propósito da recente aquisição de um seu livro que se encontrava há muito esgotado, e do qual consegui um exemplar já usado: Sous le signe de Mars.

Neste récit, o autor começa por nos informar que se trata da sua única obra autobiográfica, já que o seu Diário não está vocacionado para o exibicionismo, ainda que não exclua algumas notas íntimas.

Numa prosa de excepcional qualidade, Cluny conta-nos a sua adolescência numa pequena cidade da província, durante a Segunda Guerra Mundial. E apesar do seu interesse pela literatura, cedo revelado, o que mais o impressionava, e preocupava, eram as notícias da guerra, a invasão da França, o horror de Hitler e da Alemanha. E no meio de tudo, a devoção ao Marechal, que durante muito tempo mereceu a admiração da maioria dos franceses. Com os seus doze ou treze anos, sentiu-se pela primeira vez atraído por um condiscípulo mais jovem, recém-chegado ao liceu, a quem beijou furtivamente numa rua tranquila. Foi a sua primeira paixão, aquele que para ele se tornou o "Aimé". 

A chegada das tropas alemãs à pacata localidade onde vivia com os pais foi motivo de alvoroço. Os invasores, ao princípio, procuravam captar a simpatia das populações, ainda que o autor continuasse a ver neles o odiado inimigo. Mas com o andar da guerra, os soldados alemães passaram a ser cada vez mais jovens, e belos nos seus impecáveis uniformes. E o inevitável aconteceu. Uma tarde, Cluny, então com catorze anos,  sentiu que desejava "l'Ennemi". E num recanto de um campo de trigo, o soldado, que teria dezasseis ou dezassete anos, e lhe lembrava os efebos de Esparta ou Atenas, iniciou-o nos mistérios do sexo e do amor. A narração deste episódio, que só relata os pormenores indispensáveis, constitui uma página excepcional de literatura, pelo que conta e pelo que omite, pela sensibilidade que o autor revela ao confiar-nos este momento inédito da sua vida passada, pela evocação do conflito íntimo que significa amar o inimigo, ainda que o inimigo possa vestir a pele de um rapaz praticamente da sua idade.

Este livro é um hino à Beleza, uma denúncia das contradições da guerra, um esconjurar dos conflitos íntimos. E também um relembrar das questões subsequentes à Libertação. «Les résistants, vrais ou faux, apparurent avec un brassard révélant leur obédience politique: jamais les Français n'hésitent à saisir l'opportunité de se désunir.» (p. 91). 

É ainda um conjunto de reflexões do autor sobre a própria vida, a dele e as dos outros. Por aquilo que escrevi, que pouco foi, e por o que o leitor terá intuído, merece ser lido, sem pressas, atentamente, até porque tudo está contido num centena de páginas. 


segunda-feira, 14 de maio de 2018

MANIFESTO PARA MODIFICAR O CORÃO





O nº 2792 de "L'Obs" desta semana (10 a 16 de Maio), insere um dossier a propósito do "Manifeste contre le nouvel antisémitisme", publicado em "Le Parisien" e subscrito por cerca de 300 personalidades, entre as quais o antigo presidente da República, Nicolas Sarkozy (a quem carece autoridade moral para subscrever seja o que for), o antigo primeiro-ministro Manuel Valls (de quem tudo se espera), o inevitável Bernard-Henri Lévy, o antigo presidente da Câmara Municipal de Paris, Bertrand Delanoë, etc., etc.

Publicamos abaixo a lista dos signatários.

La liste des signataires

Eliette ABECASSIS ; Richard ABITBOL ; Ruth ABOULKHEIR ; André ABOULKHEIR ; Laure ADLER ; Paul AIDANE ; Waleed AL-HUSSEINI ; Mohamed ALI KACIM ; Michèle ANAHORY ; François ARDEVEN ; Pierre ARDITI ; Janine ATLOUNIAN ; Muriel ATTAL ; Charles AZNAVOUR ; Elisabeth BADINTER ; Patrick BANTMAN ; Laurence BANTMAN ; Adrien BARROT ; Stephane BARSACQ ; Maurice BARTELEMY ; Stéphane BEAUDET ; Patrick BEAUDOUIN ; Annette BECKER ; Florence BEN SADOUN ; Georges BENSOUSSAN ; Gérard BENSUSSAN ; Alain BENTOLILA ; André BERCOFF ; Aurore BERGE ; François BERLEAND ; Françoise BERNARD ; Florence BERTHOUD ; Naem BESTANDJI ; Muriel BEYER ; Jean BIRENBAUM ; Claude BIRMAN ; Joelle BLUMBERG ; Marion BLUMEN ; Lise BOËLL ; Jeannette BOUGRAB ; Céline BOULAY-ESPERONNIER ; Michel BOULEAU ; Laurent BOUVET ; Lise BOUVET ; Fatiha BOYER ; Anne BRANDY ; Caroline BRAY-GOYON ; Zabou BREITMAN ; Claire BRIERE-BLANCHET ; Jean-Paul BRIGHELLI ; Pascal BRUCKNER ; Laura BRUHL ; Daniel BRUN ; Carla BRUNI ; François CAHEN ; Séverine CAMUS ; Jean-Claude CASANOVA ; Bernard CAZENEUVE ; Hassen CHALGHOUMI ; Catherine CHALIER ; Elsa CHAUDUN ; Evelyne CHAUVET ; Ilana CICUREL ; Eric CIOTTI ; Gilles CLAVREUL ; Brigitte-Fanny COHEN ; Marc COHEN ; Jonathan COHEN ; Danielle COHEN-LEVINAS ; Antoine COMPAGNON ; Jacqueline COSTA-LASCOUX ; Brice COUTURIER ; Fabrice D’ALMEIDA ; Eliane DAGANE ; Gérard DARMON ; Marielle DAVID ; William DE CARVALHO ; Elisabeth DE FONTENAY ; Xavier DE GAULLE ; Bernard DE LA VILLARDIERE ; Bertrand DELANOË ; Richard DELL’AGNOLA ; Chantal DELSOL ; Gérard DEPARDIEU ; Guillaume DERVIEUX ; Patrick DESBOIS PERE ; Alexandre DEVECCHIO ; Bouna DIAKHABY ; Marie-Laure DIMON ; Joseph DORE MGR ; Daniel DRAÏ ; Michel DRUCKER ; Richard DUCOUSSET ; Stéphane DUGOWSON ; Martine DUGOWSON ; Frédéric DUMOULIN ; David DUQUESNE ; Frédéric ENCEL ; Raphaël ENTHOVEN ; Francis ESMENARD ; Christian ESTROSI ; Elise FAGJELES ; Roger FAJNZYLBERG ; Luc FERRY ; Alain FINKIELKRAUT ; Pascal FIORETTO ; Marc-Olivier FOGIEL ; Renée FREGOSI ; Michel GAD WOLKOWICZ ; Aliou GASSAMAL ; Lucile GELLMAN ; Jasmine GETZ ; Sammy GHOZLAN ; Jean GLAVANY ; Bernard GOLSE ; Roland GORI ; Marine GOZLAN ; Olivia GREGOIRE ; Mohamed GUERROUMI ; Ghislaine GUERRY ; Olivier GUEZ ; Lydia GUIROUS ; Talila GUTEVILLE ; Patrick GUYOMARD ; Noémie HALIOUA ; Françoise HARDY ; Frédéric HAZIZA ; Jean-Luc HEES ; Serge HEFEZ ; François HEILBRONN ; Marie IBN ARABI-BLONDEL ; Aliza JOBES ; Arthur JOFFE ; Michel JONASZ ; Christine JORDIS ; Dany JUCAUD ; Liliane KANDEL KARIM ; David KHAYAT ; Catherine KINTZLER ; Alain KLEINMANN ; Marc KNOBEL ; Haïm KORSIA ; Julia KRISTEVA ; Rivon KRYGIER ; Estelle KULICH ; Philippe LABRO ; Alexandra LAIGNEL-LAVASTINE ; Lilianne LAMANTOWICZ ; Jack LANG ; Joseph LAROCHE ; Damien LE GUAY ; Daniel LECONTE ; Barbara LEFEBVRE ; Yoann LEMAIRE ; Pierre LESCURE ; Bernard-Henri LEVY ; Maurice LEVY ; Stéphane LEVY ; Michèle LEVY-SOUSSAN ; Marceline LORIDAN-IVENS ; Christine LOTERMAN ; Patrick LOTERMAN ; Enrico MACIAS ; Richard MALKA ; Wladi MAMANE ; Yves MAMOU ; Juliette MEADEL ; Sylvie MEHAUDEL ; Yael MELLUL ; Françoise-Anne MENAGER ; Daniel MESGUICH ; Richard METZ ; Habib MEYER ; Radu MIHAILEANU ; Yann MOIX ; Antoine MOLLERON ; Thibault MOREAU ; Jean-Jacques MOSCOVITZ ; Slim MOUSSA ; Laurent MUNNICH ; Lionel NACCACHE ; Marc NACHT ; Aldo NAOURI ; Xavier NIEL ; Sophie NIZARD ; Anne-Sophie NOGARET ; Karina OBADIA ; Jean-Pierre OBIN ; Edith OCHS ; Christine ORBAN ; Olivier ORBAN ; Marc-Alain OUAKNIN ; Yann PADOVA ; Brigitte PASZT ; Dominique PERBEN ; André PERRIN ; Serge PERROT ; Laurence PICARD ; Céline PINA ; François PINAULT ; Jean-Robert PITTE ; Nidra POLLER ; Richard PRASQUIER ; Michael PRAZAN ; Nadège PULJAK ; Jean-François RABAIN ; Marianne RABAIN-LEBOVICI ; Ruben RABINOVITCH ; Jean-Pierre RAFFARIN ; Christiane RANCE ; Jean-Jacques RASSIAL ; Renaud RENAUD ; Jean-Louis REPELSKI ; Solange REPLESKI ; Ivan RIOUFOL ; Jacob ROGOZINSKI ; Olivier ROLIN ; Marie-Helène ROUTISSEAU ; Catherine ROZENBERG ; Philippe RUSZNIEWSKI ; Boualem SANSAL ; Georges-Elia SARFAT ; Nicolas SARKOZY ; Josiane SBERRO ; Jean-Paul SCARPITTA ; Eric-Emmanuel SCHMITT ; Dominique SCHNAPPER ; André SENIK ; Joann SFAR ; Vadim SHER ; Stéphane SIMON ; Patricia SITRUK ; Jean-François SOLAL ; Paule STEINER ; Jean-Benjamin STORA ; Francis SZPINER ; Anne SZULMAJSTER ; Pierre-André TAGUIEFF ; Maud TANACHNIK ; Jacques TARNERO ; Michel TAUBER ; Daniel TECHNIO ; Julien TROKINER ; Cosimo TRONO ; Monette VACQUIN ; Henri VACQUIN ; Philippe VAL ; Caroline VALENTIN ; Manuel VALLS ; Sibyle VEIL ; Jacques VENDROUX ; Natacha VITRAT ; Sabrina VOLCOT-FREEMAN ; Régine WAINTRATER ; Laurent WAUQUIEZ ; Aude WEILL-RAYNAL ; Simone WIENER ; Annette WIEVIORKA ; Jean-Pierre WINTER ; Jacques WROBEL ; André ZAGURY ; Alain ZAKSAS ; Paul ZAWADZKIv Marc ZERBIB ; Céline ZINS ; Jean-Claude ZYLBERSTEIN.

Consideram os subscritores do Manifesto, redigido por Philippe Val, antigo director do "Charlie Hebdo", que o texto do Corão é parcialmente responsável pelo ódio existente em certos muçulmanos e pedem que os versículos "appelant au meurtre et au châtiment des juifs, des chrétiens et des incroyants soient frappés d'obsolescence" pelas autoridades teológicas.

Ao pedirem para que o Corão seja re-escrito, os signatários, que não são todos estúpidos ou ignorantes, agem de má-fé. Mesmo quando invocam que as incoerências da Bíblia foram abolidas pelo Concílio do Vaticano II. Ora o texto da Bíblia, fixado pelo Concílio de Trento, permanece intocável, tendo sido eliminadas, de facto, algumas expressões da liturgia, como a alusão aos "pérfidos judeus".

Sendo a Bíblia e o Corão, para os respectivos crentes, a palavra de Deus, é evidente que nenhuma instância religiosa se atreveria a censurar a Palavra Divina. Com particular relevo para os muçulmanos, já que no islão não existe (nem mesmo nos tempos do Califado) uma "igreja" centralizada com poderes espirituais sobre todos os fiéis, sendo cada um livre de interpretar pessoalmente os textos sagrados.

Aliás, os trágicos acontecimentos verificados nos últimos anos, e cujos protagonistas foram, na sua maioria, indivíduos árabes ou de ascendência árabe, e por isso presumivelmente muçulmanos, não constituem um precedente de confrontação religiosa, ainda que tais atitudes sejam liminarmente condenáveis.

Foi a Europa, durante séculos, palco de perseguições e de guerras intermináveis motivadas por causas religiosas e que levaram a desolação a centenas de milhares de pessoas. Os cristãos europeus atacaram durante séculos judeus e muçulmanos (as Cruzadas, a expulsão da Península Ibérica, etc.) e, mais tarde, depois do Cisma do Ocidente e do advento do Protestantismo, ocorreram sangrentas guerras entre os próprios cristãos, de que é exemplo paradigmático a Guerra dos Trinta Anos (ainda que o factor político se ocultasse amiúde por detrás da máscara religiosa), que só terminou com a Paz de Vestefália.

É curioso que foi principalmente nos países muçulmanos que os judeus procuraram abrigo quando expulsos da Europa. Durante séculos, o anti-semitismo foi especialmente cristão; iniciou-se com Paulo de Tarso (São Paulo), que verberou os judeus nos seus escritos, ainda que ele mesmo, tal como Jesus Cristo e os primeiros cristãos fossem todos judeus, e teria expressão oficial até ao Vaticano II.

A actual vaga de anti-semitismo, que efectivamente existe, é de expressão muçulmana. E tem fundamentalmente a ver com a criação do Estado de Israel, há precisamente 70 anos, em território palestiniano, depois da inconcebível Declaração de Lord Balfour endereçada a Lord Rothschild. Verdadeiramente, o anti-semitismo islâmico é muito mais político do que religioso, é muito mais anti-sionismo do que anti-semitismo, até porque semitas também os árabes o são.

A ideia peregrina de re-escrever o Corão só pode ter aflorado em mentes obcecadas pela rapidez das transformações, numa França "en Marche", pilotada por um jupiteriano deslumbrado com a coroa de louros dos césares, o inimaginável Emmanuel Macron.

O Corão e a Bíblia não se rasuram nem se corrigem. Os seus textos devem ser lidos e interpretados de acordo com o tempo presente. A sua escrita teve lugar numa determinada época, há muitos séculos, face aos desafios desse tempo, e algumas passagens já eram então de carácter mais simbólico do que real. Cabe aos imames, no caso do Corão, esclarecer os muçulmanos do verdadeiro sentido da palavra escrita, já que não existe uma "igreja" islâmica (nem mesmo Al-Azhar) com competência para interpretar os textos. Sendo as religiões monoteístas as religiões de um Livro, que para sempre aprisionou a Palavra Divina, o texto terá de ser entendido no contexto, para não se tornar disfuncional.

Mas deve compreender-se que aquilo que hoje se designa por terrorismo islâmico tem muito mais a ver com circunstâncias políticas e sociais do que propriamente religiosas, até porque os autores dos ataques registados na Europa, embora possam gritar "Allah u'Akbar", pouco ou nada conhecem da religião muçulmana ou das suas escrituras, alguns serão mesmo descrentes.

A Religião tornou-se o novo álibi de uma certa luta política, de uma certa contestação social em que, para os seus autores, os fins justificam os meios.

Pode a França, pode a Europa transformar-se num Estado policial, sujeitar os cidadãos a extraordinárias medidas de segurança, controlar o mais íntimo da vida privada dos seus habitantes, que não logrará obter qualquer êxito. O segredo do sucesso reside numa alteração de políticas a nível nacional e global, mas pela amostra dos últimos dias, o caminho é mais de regressão, isto é, "en marche, en arrière"!


terça-feira, 8 de maio de 2018

A TUNÍSIA REVISITADA




Voltei à velha cidade de Túnis, ao fim de quase dez anos de ausência, para rever, pela 30º vez, a metrópole que viu nascer Ibn Khaldun, em 1332.

Muitas coisas terão mudado nesta ausência de uma década, ponteadas pela Revolução de 2011, que introduziu substanciais modificações no quotidiano da população da cidade e do país.

Obviamente, com o meu olhar de estrangeiro, ainda que alguém tenha dito, há já longos anos, que eu era "o mais tunisino dos portugueses", observação prontamente corrigida pelo então embaixador da Tunísia em Lisboa, que considerava ser eu "o mais português dos tunisinos"! Posso, por isso, testemunhar mas apenas sobre o que vi, uma vez que a quase totalidade dos meus amigos autóctones abandonou o país no período revolucionário. Assim, serão poucas as informações fidedignas que obtive, colhidas no terreno um pouco aleatoriamente. Todavia, registei, como impressão geral, que, além do desmantelamento do sistema repressivo do regime de Zine El Abidine Ben Ali e da introdução de uma vivência digamos que "democrática", a vida dos tunisinos, em geral, piorou.

Estou a escrever no Café de Paris, em 6 de Maio, véspera das primeiras eleições municipais no país. Presume-se que, das dezenas de partidos concorrentes,  os vencedores destas eleições serão os grandes partidos, Nidaa Tounes e Ennahdha, o primeiro, de tendência laica e socializante, do presidente da República Béji Caïd Essebsi, e o segundo, de orientação islamista, de Rachid Ghannuchi. Os outros deverão obter resultados despiciendos, ainda que alguns se apresentem em coligações. Todavia, a grande apreensão que paira sobre este escrutínio é a taxa de abstenção dos cidadãos eleitores.

Logo que sejam conhecidos os resultados, ainda que provisórios, do escrutínio, deles aqui darei conta.

As impressões negativas surgiram logo à chegada ao aeroporto. Dos diversos tapetes que recolhem as bagagens, apenas dois funcionavam, acumulando malas provenientes de diversos voos. E, existindo no aeroporto diversas agências bancárias, além da Caixa Postal, além desta, só uma dependência se encontrava aberta, seriam umas onze horas da noite, o que obrigou a uma longa espera os passageiros que necessitavam de cambiar moeda.

Suponho que os edifícios, dado o estado de degradação em que se encontram, não devem ter sofrido obras de manutenção nos últimos anos. Os passeios têm mais buracos do que nunca e o lixo, à excepção da avenida Bourguiba, amontoa-se nas ruas.

Até o serviço de táxis, que era eficiente, passou agora a ser discricionário. Os táxis passam muitas vezes vazios e não param quando para isso alertados. Aconteceu-me uma vez ter de sair de um táxi por o motorista invocar falta de "carburante", depois de saber qual era o destino pretendido. Outros há que recusam tomar passageiros, se consideram que existem engarrafamentos no percurso para a direcção indicada. E fiquei com a suspeição, talvez estúpida, de que preferem embarcar nacionais a estrangeiros. Encontrar um táxi livre tornou-se, assim, por estes dias, um verdadeiro acaso da sorte. Verdade se diga que a circulação automóvel, que sempre foi um problema em Túnis, é hoje verdadeiramente caótica.



Constatei que a Praça 7 de Novembro, data do "Changement", isto é, da tomada do poder por Ben Ali, em substituição do velho presidente Habib Bourguiba, já senil, se havia passado a chamar Praça 14 de Janeiro, data da fuga de Ben Ali para a Arábia Saudita. E que uma estátua equestre de Bourguiba havia sido trasladada do seu local original, em La Goulette, para o topo da Avenida Bourguiba, com a parte traseira virada para o célebre Relógio e a parte lateral para o Ministério do Interior, de visão inacessível, já que as barreiras de segurança do Ministério impedem qualquer cidadão de a observar desse lado. Não pude deixar de sorrir ao lembrar-me que a Ponte Salazar, depois da Revolução de 1974, se passou a chamar Ponte 25 de Abril.

Uma ida a Sidi Bou-Saïd, essa célebre pérola do Mediterrâneo que conquistou tantos intelectuais estrangeiros (basta recordar Gide e Foucault, que aí habitaram), recordou-me, uma vez mais, que as carruagens da Linha do TGM (Très Grand Metro), que liga Tunis-Marine a Marsa, uma espécie de combóio da Linha do Estoril, entre Cais do Sodré e Cascais, continuam a ser as mesmas da época colonial (nem Ben Ali as substituiu) e continuam a cumprir tant bien que mal, o seu serviço, o que só comprova a qualidade da sua construção.


O atendimento solícito em hotéis, restaurantes e cafés também já teve melhores dias, e até a proverbial afabilidade dos tunisinos em relação aos estrangeiros, que fazia deles um caso singular entre os povos árabes, parece que, em larga medida, se desvaneceu.

É verdade que se mantêm algumas das boas livrarias: a Claire Fontaine (Rue d'Alger), a Al-Kitab (Avenue Bourguiba), a Bouslama (Avenue de France) e a Diwan (Rue Sidi Ben Arous, na Medina), onde o infatigável Sofian continua a atender, diligentemente e com a experiência dos anos, os seus exigentes clientes, na maioria estrangeiros, que procuram na casa livros editados há muito tempo e já fora do circuito normal.


Livraria Al-Kitab


Livraria Diwan

Livraria Bouslama

Também o Museu do Bardo (ao lado do Parlamento) continua a albergar a melhor colecção de mosaicos  cartagineses e romanos de todo o mundo, além de estátuas e estatuetas, de mármore e de bronze, dignas de admiração. À entrada do Museu, um Memorial recorda os cidadãos tunisino e estrangeiros mortos aquando do atentado terrorista de 18 de Março de 2015. A segurança do Museu está naturalmente reforçada, bem como nos pontos sensíveis da cidade. Por causa dos ataques com viaturas, foram erguidas barreiras, nas faixas laterais, ao longo de toda a avenida Bourguiba, frente às esplanadas e aos hotéis, o que, apesar de inestético e pouco funcional, constitui elemento dissuasor de perturbados fundamentalistas ou de outros agentes do caos internacional.








A Embaixada de França, antiga habitação do Residente Geral francês nos tempos do Protectorado, está rodeada de barricadas, rolos de arame farpado e sacos de areia, sob a vigilância de polícias e soldados, com a protecção de jeeps e carros de assalto. O mesmo se diga do Ministério do Interior, que já beneficiava de protecção especial em tempos idos, e cujo perímetro de segurança se alarga agora à sua frente, invadindo metade da avenida Bourguiba.

 
Embaixada de França (à distância)

Em frente à estátua de Ibn Khaldun, uma construção em plástico vermelho «I 💓LOVE TUNIS», sobre a qual brincam crianças (e que certamente agradaria ao dr. Medina) constitui uma ofensa à memória do criador da filosofia da história.



No regresso pensei, vagamente, que no free-shop do aeroporto se pudesse agora efectuar compras em moeda local. Mas não, tudo como dantes, os dinares continuam a ser rejeitados e as aquisições têm de ser feitas em euros.

Lendo "La Presse", na 2ª feira, verifico, que a taxa de abstenção se estima em cerca de 70%, resultando nomeadamente da não participação da população jovem. O que levou a que um partido como Ennahdha (que certamente não concita a adesão da maioria dos tunisinos) preveja globalmente 27,5% dos votos, acima de Nidaa Tounes, com uma estimativa de 22,5%. No dia da votação, passei por uma assembleia de voto, situada num liceu da rua de Marseille (as secções de voto funcionaram nas escolas). Não pude aproximar-me nem fotografar devido às barreiras de segurança que fechavam o troço da rua, mas durante o período que permaneci em observação apenas vi seis ou sete pessoas, todas de avançada idade, a dirigir-se para a porta do edifício.


Propaganda eleitoral na avenida Bourguiba

No domingo, um rapaz universitário com quem ocasionalmente conversei, disse-me, compungido: «La Tunisie, c'est finie".  A situação económica do país é muito grave, a taxa de desemprego (oficial) aproxima-se dos 20%, o turismo (principal fonte de receita) caiu abruptamente com os atentados do Bardo (já referido) e de Sousse, as promessas dos políticos não são cumpridas e a corrupção é endémica. No que ao turismo respeita, acresce que a qualidade do serviço se deteriorou de forma notável, nem outra coisa seria de esperar, o que é de molde a desencorajar os potenciais visitantes.

As ilusões que saudaram a Revolução do Jasmim, por analogia à portuguesa revolução dos Cravos, esfumaram-se. O advento das democracias é sempre problemático. E mesmo as democracias consolidadas sofrem do incumprimento dos programas eleitorais e da corrupção exponencial que actualmente se verifica. Pelo que conheço do povo tunisino, antevi à partida quanto seria difícil pôr a funcionar um sistema democrático eficaz que respondesse às necessidades da população. É justo registar aqui que, independentemente do carácter repressivo do seu regime, a Tunísia deve a Ben Ali uma não negligenciável parte do progresso dos últimos anos que precederam a sua queda. Sempre ouvi atribuir à ex-cabeleireira Leila Trabelsi, e à sua inumerável família, muitos dos problemas que se registaram no país e em relação aos quais o seu marido, ao que dizem por ela manobrado, não actuou, nos últimos anos do seu consulado, com a determinação, a clarividência e a oportunidade que a situação exigia e a inteligência impunha.

Mas a situação europeia, e mundial, também não é brilhante. Portugal é disso um exemplo. E a Espanha, a França, a Itália, a Alemanha, o Reino Unido, e por aí fora, não passam de pseudo-democracias, dirigidas muitas vezes por verdadeiros criminosos de guerra e manobradas por poderes mais ou menos ocultos, que propiciam ganhos astronómicos para quem nunca pensa que não vai levar para a cova o dinheiro obtido. Isto para não falar nos Estados Unidos, no Brasil, etc. E nem vale a pena evocar o grande negócio do terrorismo internacional, pretensamente de raiz religiosa mas porventura a soldo dos mais obscuros interesses geoestratégicos internacionais.

Ligam-me à Tunísia velhos e inolvidáveis laços de amizade. A Tunísia é, aliás, o país estrangeiro que mais vezes visitei na minha vida. Por isso, só posso desejar que a precária situação que hoje se vive no país regresse ao que chamaria uma razoável "normalidade", para bem dos seus cidadãos e também dos visitantes estrangeiros.


MUITO MAIS HAVERIA A ESCREVER. FICARÁ PARA OUTRA OCASIÃO.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

NO 73º ANIVERSÁRIO DA MORTE DE HITLER




No dia 30 de Abril de 1945, Adolf Hitler suicidou-se, segundo a história oficial, no bunker da Chancelaria do Reich, em Berlim.

Muito se tem escrito sobre a morte (ou não) do Führer, e são várias as hipóteses acerca do que terá acontecido naquele último reduto berlinense da Alemanha Nazi, há precisamente 73 anos. O livro, publicado o mês passado, La mort d'Hitler, do jornalista e realizador de documentários francês Jean-Christophe Brisard e da jornalista e realizadora de documentários russo-americana Lana Parshina, conta as diligências dos autores em Moscovo para obterem a confirmação da morte de Hitler, dúvida que constituiu uma preocupação constante de Stalin, que pretendia demonstrar aos Aliados que fora ele o verdadeiro vencedor da Alemanha Nazi. Daí a preocupação das tropas russas de serem as primeiras a entrar em Berlim em 1945. Pelo meio do livro, são intercalados capítulos dedicados aos últimos dias decorridos no bunker, segundo os depoimentos dos sobreviventes, matéria já abundantemente tratada em livros e até no cinema, mas aqui com pormenores adicionais.

Apesar dos múltiplos obstáculos levantados pelas autoridades russas, os autores conseguem visitar, mais do que uma vez, ao longo de 2016 e 2017, o GARF (Gosudarstvennyy Arkhiv Rossiyskoy Federatsii), isto é, os Arquivos do Estado da Federação Russa; o FSB ( Federal'naya Sluzhba Bezopasnosti Rossiyskoy Federatsii), isto é, o Serviço de Segurança Federal da Federação Russa [sucessor do KGB (Komitet Gosudarstvennoy Bezopasnosti) ou Comité de Segurança do Estado], sediado na Praça Loubianka, mais concretamente os TsA (Tsentral'nyi Arkhiv, Arquivos Centrais), na Rua Bolchaïa Loubianka, nº 2 [o KGB foi extinto em 1991, tendo sido substituído, nos mesmos locais, pelo FSB, em 1995]; e os RGVA (Rossiiskii Gosudarstvennyi Voennyi Arkhiv), isto é, os Arquivos do Estado Militares Russos.


Pedaço do crânio de Hitler

No GARF, conseguem examinar um bocado do crânio de Hitler (com um impacto de bala) e uns pedaços do divã no qual se terá suicidado; no FSB, alguns bocados do maxilar, com destaque para os dentes; no RGVA, os relatórios secretos da polícia relativos aos testemunhos dos que privaram com Hitler no bunker, nos últimos dias. Os Arquivos Militares albergam cerca de 7,3 milhões de documentos relativos ás forças armadas soviéticas, e depois russas, bem como dos serviços de informação militares. Aí se encontram também todos os documentos oficiais do III Reich de que os soviéticos se apoderaram no fim da Segunda Guerra Mundial. Entre eles, os dossiers pessoais dos dirigentes nazis, o diário íntimo de Goebbels e a agenda de trabalho de Himmler.

Stalin pretendeu primeiro que a URSS não sabia do cadáver do Führer e admitiu depois que a haver um suicídio ele teria sido efectuado com veneno e não com uma pistola, pois Hitler seria um cobarde e não teria coragem, como compete aos militares, para dar um tiro na cabeça.

Nos Arquivos Militares, três dossiers mereceram especial atenção das autoridades soviéticas:

- Heinz Linge, criado de Hitler, 32 anos, SS-sturmbannführer (comandante)
- Hans Baur, piloto de avião de Hitler, 47 anos, SS-obergruppenführer (general do corpo do exército)
- Otto Günsche, ajudante de campo de Hitler, 28 anos, SS-sturmbannführer (comandante)

Os presumíveis cadáveres de Hitler e de Eva Braun foram encontrados, por acaso, no jardim da Chancelaria, em 5 de Maio de 1945, segundo relatório existente nos TsA (FSB) relativo à descoberta e autenticação do corpo.Também aqui existe um casaco amarelo mostarda de Hitler com três insígnias: um medalhão cercado de vermelho e branco com uma cruz gamada ao centro (símbolo do Partido Nazi); uma medalha militar (Cruz de Ferro de 1ª Classe) ; e uma insígnia representando um capacete militar sobre duas espadas cruzadas (insígnia dos feridos da Primeira Guerra Mundial). Igualmente, um aparelho ortopédico de Goebbels (que coxeava) e uma cigarreira dourada com a assinatura de Hitler e a data de 29.10.1934 (um presente do Führer a Magdalena Goebbels).

Segundo os relatórios conservados "Top Secret", os cadáveres foram encontrados perto do local onde se encontravam os corpos de Goebbels e de sua mulher Magda. Foram enterrados junto ao bairro berlinense de Buch. Mais tarde foram transportados para os arredores da cidade de Finow e em 3 de Junho de 1945 para as proximidades da cidade de Rathenow, onde foram sepultados "definitivamente". Os cadáveres estariam sepultados a 1,7 metro, na seguinte ordem: Hitler, Eva Braun, Goebbels (ministro da Propaganda), Magda Goebbels, o general Krebs (Chefe do Estado-Maior do Exército, suicidado no bunker) e os filhos dos Goebbels, envenenados por estes com cianeto, a fim de não viverem numa Alemanha que não fosse nacional-socialista.


Pedaço do maxilar de Hitler

Finalmente, os autores conseguem que o crânio e os dentes sejam examinados por um eminente especialista, o doutor Philippe Charlier, célebre pela identificação dos restos mortais de Henrique IV, São Luís IX e Ricardo Coração de Leão. Este, apesar de inúmeras dificuldades burocráticas, consegue fotografar os objectos e analisar os resultados em Paris, concluindo que os dentes são indubitavelmente de Adolf Hitler.

Segundo documento secreto de 21 de Fevereiro de 1946, os corpos atrás mencionados foram transferidos de Rathenow para Magdebourg, onde foram enterrados. Por fim, segundo o plano da operação "Arquivo", por decisão de Andropov, os restos das pessoas citadas foram definitivamente destruídos, por combustão, em 5 de Abril de 1970, num terreno vago da cidade de Scönebeck, a 11 quilómetros de Magdebourg. As cinzas foram lançadas no rio Biderin.

Fica aqui registada a odisseia destes investigadores, de que só mencionámos o essencial das 350 páginas de texto. O livro lê-se como um romance policial, recolhe inúmeros pormenores, critica a burocracia dos serviços russos e os sucessivos problemas com que os autores se depararam para atingir as suas metas. Trata-se de mais uma contribuição para o esclarecimento do que aconteceu nos últimos dias no bunker, depois das dezenas de livros publicados por historiadores e pelos sobreviventes da queda do III Reich, nomeadamente, por Traudl Junge, que foi secretária de Hitler até aos últimos momentos.

O livro La mort d'Hitler pretende encerrar a polémica acerca do destino final do Führer, depois de tantos testemunhos de pessoas que o terão avistado em países da América do Sul.

Tê-lo-á conseguido?

 
NOTA: Não existem, tanto quanto sabemos, fotografias dos cadáveres carbonizados de Adolf Hitler  e de Eva Braun, nem tão pouco dos cadáveres de Joseph Goebbels e de Magda Goebbels. Nem sequer das autópsias, oportunamente efectuadas, dos cadáveres de Hitler e de Braun.


quinta-feira, 19 de abril de 2018

UMA SABEDORIA ALEGRE




Acabou de ser publicado o livro Un savoir gai, de William Marx, escritor francês, ensaísta, historiador e professor da Universidade de Paris-Nanterre. Gai e não Gay, o que traduz ab initio uma opção do autor.

Trata-se de uma obra singular, em que a questão da sexualidade, particularmente da homossexualidade, é abordada de uma forma tão distinta da maneira como é habitualmente tratada que faz deste livro um espécime raro, para não dizer único, na ficção/ensaio dedicada à homossexualidade.

Transcrevo um parágrafo do Preâmbulo: «Abécédaire, dictionnaire, encyclopédie, ce livre n'est pas ce qu'il paraît: il peut se lire dans tous les sens, par tous les bouts, et veut surtout être complété par chacun, qui y apportera ses propres références, ses propres expériences. Il n'y sera pas seulement question d'amour, de drague, de fantasmes, de pornographie et de taille du pénis, mais aussi de Vélasquez, Kant, Proust, Oshima et Cat Stevens, des chauffeurs de taxi, des colonies de vacances, du mariage pour tous, d'algèbre et de la longévité des chats et des baleines bleues. De la vie érotique de Jésus, également. Et de la vie tout court.» (p. 13)

O autor entendeu desenvolver o texto utilizando a forma de um diálogo com o leitor, colocando-nos como interlocutor privilegiado. O que nos obriga a reflectir com maior acuidade sobre os temas abordados, especialmente sobre os mais polémicos e susceptíveis de não gerarem consenso. Ao longo de pouco mais do que 150 páginas (33 entradas), William Marx aborda as questões cruciais com as quais são confrontados os homossexuais (e também, pour cause, os heterossexuais) no decorrer da vida, contemplando atentamente as alterações verificadas em matéria de sexo (e afectividade) nas últimas décadas. Não subscrevo integralmente todas as afirmações (ou sugestões, ou propostas) do autor, mas confesso que este livro constitui uma contribuição excepcional para o estudo do objecto proposto.

Na entrada "Altérité" escreve: «Le même constat s'impose également, mutatis mutandis, dans les politiques de discrimination positive fondées sur la différence des sexes: les diverses lois sur la parité dans les institutions, si bénéfiques qu'elles puissent être à maints égards, te paraissent souvent n'avoir qu'un effet d'affichage facile (quoi de plus visible que la distinction d'un homme et d'une femme?) sans toucher véritablement au fonds du problème, c'est-à-dire à l'uniformité persistante des origines et des vécus de celles et de ceux qui administrent, décident et gouvernent. Pour dire les choses de façon plus critique encore, il arrive que l'exigence de parité ne soit que le cache-sexe du maintien des inégalités existantes: tu n'est pas persuadé qu'une femme bourgeoise blanche hétérosexuelle apporte un point de vue fondamentalement différent de sa contrepartie masculine. On attendrait plus aisément à la diversité nécessaire en relativisant ou en pondérant par d'autres critéres celui de la différence  des sexes, qui n'est sans doute pas le plus pertinent ni le plus apte à obtenir la pluralité recherchée.» (p. 19). Muito oportuna observação do autor. De facto, já todos sabíamos que as quotas nos governos, nos parlamentos e em outras instituições são uma falácia do politicamente correcto! E parece que em Portugal, agora, se volta a insistir neste tema, com os resultados desastrosos que se aguardam.

Curiosa a referência ao Gabinete Secreto do Museu Arqueológico de Nápoles [que tive o prazer de visitar há alguns anos]  e às peças nele exibidas e que, durante longo tempo, estiveram ocultas aos olhos do público. A propósito, o autor tece interessantes considerações a propósito do célebre quadro de Vélasquez, "A Forja de Vulcano", exposto no Museu do Prado, em Madrid, em que o pintor transgride todos os códigos da época, ao representar os ferreiros suficientemente despidos para atraírem olhares nada inocentes dos apreciadores da nudez masculina.

A entrada "Évangile" proporciona a William Marx pertinentes reflexões. Uma delas respeita à crise de vocações sacerdotais. Impossível não transcrever o respectivo parágrafo: «Dans une société ou un milieu qui ne tolèrent pas le désir gai, le célibat consacré, avec tout le discours valorisant qui l'accompagne traditionnellement, peut apparaître  comme une solution admissible. Au moins un tiers des prêtres catholiques et des religieux consacrés seraient des gais plus ou moins refoulés. En ce domaine, les enquêtes sont difficiles, mais les chiffres n'ont rien d'improbable. Probable aussi le fait que, dans les pays occidentaux, la crise des vocations dont souffre l'Église catholique soit directement liée à la plus grande tolérance dont jouit désormai dans ces mêmes pays l'existence gaie assumée comme telle: nul besoin de prononcer des voeux si l'objet véritable du désir est connu, acceptable et accessible. Le mouvement de libération gaie a vidé le réservoir de frustration et de refoulement où l'Église aimait à puiser une bonne partie de son clergé.» (p. 71)

Recordo, a propósito, o que me dizia, há uns bons quarenta anos, em Paris, em casa do Manuel Cargaleiro (no Quai des Grands Augustins), um amigo meu que então estudava na Sorbonne: os homossexuais têm apenas três vias profissionais, a carreira militar, a carreira docente ou a carreira eclesiástica. A evolução da sociedade encarregou-se de baralhar os dados. Na carreira militar passou a haver mulheres (lembro-me do general Lemos Ferreira, então CEMGFA, num Coffe break no Instituto da Defesa Nacional, me dizer que enquanto ele chefiasse as Forças Armadas as mulheres nunca seriam admitidas como operacionais, sendo confinadas a secretárias, enfermeiras, etc.), o que reduziu substancialmente as virtudes de tal opção. Na carreira docente, agora com turmas mistas em todos os graus de ensino, e com o espectro do assédio sexual, as possibilidades de êxito estão drasticamente reduzidas. Na carreira eclesiástica, os casos relatados nos últimos anos e a advertência papal de que as pessoas com (simples) inclinações homossexuais seriam excluídas do acesso ao sacerdócio, o problema tornou-se idêntico.

Um excerto da entrada "Étrangement": «Ailleurs, c'est le refus de jouer la mascarade hétérosexuel qui s'impose au héros: "Le dimanche des homosexuels est toujours lugubre. Car ils s'aperçoivent alors que le monde du jour, qui n'est pas leur domaine, règne sans réserve. Où qu'ils aillent, au théâtre, au café, au zoo, dans un parc d'attractions, dans un quartier quelconque de la ville, en banlieue, partout c'est le principe de la majorité qui avance triomphalement. C'était une procession de couples, vieux, entre deux âges, jeunes, amants, de familles, et d'enfants, d'enfants, d'enfants, d'enfants, d'enfants et, pour couronner le tout, de ces maudites poussettes! C'était un défilé qui avançait sous les vivats. Il aurait été très facile pour Yûichi de les imiter en se promenant en compagnie de Yasuko [son épouse]. Mais quelque part au-dessus de sa tête l'oeil de Dieu le surveillait dans le ciel limpide: les faux seront nécessairement découverts.* (p. 68)

 * Yukio Mishima, Les amours interdites

Na entrada "Évangile", o autor interroga-se sobre a sexualidade de Jesus e sobre o sistema sexual proposto pelo Evangelho, que escapa a todas as normas estabelecidas. «Le message central est d'abord celui du refus de la sexualité pour se consacrer à Dieu seul. Quand d'autres religions, le judaïsme et l'islam, promeuvent la procréation comme une poursuite de l'oeuvre de la Création et un hommage au Créateur, le message évangélique primitif se veut infinement plus radical et difficile à entendre: il exhorte à ne pas procréer et à se faire eunuque pour le Royaume des Cieux*. Les mouvements chrétiens dits de défense de la famille n'en ont évidemment cure: les textes évangéliques sont de peu de poids face à l'idéologie haineuse et réactionnaire qui les anime.» (pp.72-3)

* Mateus, XIX, 10-12

Entre outras pertinentes considerações, como o facto do discípulo amado (João) repousar a sua cabeça no seio de Jesus, William Marx manifesta a sua perplexidade sobre esta passagem do Evangelho de Marcos (XIV, 51-52), que transcrevo da tradução portuguesa de Frederico Lourenço: "Um certo jovem seguia-o envolto apenas num lençol por cima da nudez. Prenderam-no, mas ele, deixando o lençol, fugiu nu." (p. 74) Dispenso-me de comentários sobre as observações do autor sobre esta e outras passagens do Evangelho de Marcos, que não cabem neste espaço, mas não prescindo de referir a existência de um Evangelho secreto de Marcos, que, segundo Clemente de Alexandria, seria destinado apenas aos iniciados (Morton Smith, Clement of Alexandria and a Secret Gospel of Mark). Este manuscrito de Clemente, descoberto em 1958 pelo universitário norte-americano no Mosteiro de São Saba, vinte quilómetros a sul de Jerusalém, desapareceu curiosamente alguns anos depois de Smith o ter revelado ao mundo. Apesar das inúmeras referências homossexualizantes nos textos evangélicos, Dan Brown entregou-se posteriormente a uma grosseira manobra de diversão, publicando em 2003 o Da Vinci Code, onde atribui a Jesus uma relação amorosa com Maria Madalena.

Na entrada "Pédophilie", o autor desfaz a confusão que (intencionalmente) se estabeleceu entre pedofilia e homossexualidade masculina, salientando que pode haver pedofilia com homossexualidade feminina, e que uma parte substancial dos casos de pedofilia é praticada a nível heterossexual. Refere expressamente a frenética caça aos "pedófilos" desencadeada a partir de fins dos anos 90 pelos media, pelos governos e por certas instituições mais ou menos respeitáveis, em reacção a actos criminosos de repercussão mundial. Examina a propositada identificação de pedofilia e pederastia (termo grego de contornos bem definidos) e explica a situação a que se chegou hoje: «On confond sous le terme de pédophile trois types de personnes, trois types de comportements fondamentalement différents. Il y a d'abord ceux, de très loin les plus nombreux, qui se contentent de fantasmes sexuels faisant intervenir des enfants et ne passent jamais à l'acte: ils ne sont ni plus ni moins innocents et inoffensifs que  ceux qui rêvent de coucher avec des licornes, de sucer des zombies et d'enculer des dragons. Laissons-les tranquilles ou bien n'envoyons à leur poursuite que la brigade de protection des êtres chimériques. Il y a ensuite ceux qui passent à l'acte avec des enfants réels, lors de contacts sexuels plus ou moins poussés, plus ou moins sollicités ou forcés. Il y a enfin ceux, rarissimes, qui torturent et assassinent des enfants: ceux-là mériteraient plutôt d'être appelés pédophobes que pédophiles. Seules les deux dernières catégories, naturellement, devraient être justiciables de sanctions pénales et d'un contrôle social.» (pp. 125-6)

Na entrada Prostitution", William Marx discorre sobre a mais antiga profissão do mundo. E indigna-se quanto à criminalização quer das prostitutas (parece que a legislação não abrange os prostitutos), quer dos seus clientes. E propõe uma séria discussão sobre o assunto. Escreve: «Or, si tout peut être commercialisé sauf la sexualité, même entre deux adultes consentants, c'est qu'il y aurait en elle ce qu'il faut bien appeler du sacré. Libre à chacun de le croire, mais est-ce à une république laïque de s'en faire l'apôtre? Jusqu'à nouvel ordre, un péché n'est pas un crime. "Oui, te dira-t-on, mais on n'a pas le droit de vendre son corps." Nuance: les prostitués, hommes et femmes, ne vendent pas leur corps; ils vendent un service rendu avec leur corps. Ce n'est pas la même chose. Les acteurs, les danseurs, les sportifs en font autant, de même que les déménageurs ou les ouvriers du bâtiment, chacun selon les modalités propres. Cela peut aller jusqu'au sacrifice de la santé, voire de la vie: ainsi des cascadeurs, ainsi des militaires. Sera-t-il permis de gagner de l'argent en faisant la guerre, mais pas l'amour? "Oui, mais les femmes prostituées ne sont pas libres de leurs actes." Sont-elles plus aliénnées que ces femmes de ménage qui vont tous les jours à quatre heures du matin nettoyer les bureaux des grandes entreprises?» (p. 133)

Continuando: «Où s'arrêtera le processus? Si la prostitution est interdite, la pornographie doit l'être également, ainsi que la nudité sur les affiches, dans les livres, les médias et les expositions: acteurs et mannequins ne font pas moindre commerce de ce corps désormais légalement sacralisé. Une nouvelle brigade des moeurs prendra au piège les clients potentiels par des offres trompeuses d'amours tarifées. Voilà donc déjà la police entrée dans les chambres et les têtes, au mépris des valeurs fondamentales de la République et de la démocratie. Pour en arriver là, quels prêtres ou quels imams as-tu donc sans le savoir élus au Parlement?» (pp. 133-4)

Ao longo das 33 entradas deste precioso livro, muitas são as questões debatidas mas não permite o espaço alongarmo-nos sobre todos os temas. O que fica é por si demonstrativo da imprescindibilidade da leitura da obra, que vivamente se recomenda a todos os interessados na matéria.

Concluo, com a transcrição dos dois últimos parágrafos:

«Zeus passa par mille aventures charnelles: Io, Europe, Alcmène, Ganymède. Il s'ingéra dans les affaires des Grecs et des Troyens. Il s'efforça de faire régner la justice sur le champ de bataille, alors même qu'il éprouvait un faible pour les défenseurs de Troie. Puis il fit encore plus d'efforts, se spiritualisa toujours davantage, devint le dieu des philosophes, de Platon, Aristote, Cléanthe, Plotin, le moteur immuable de l'univers, le garant de la loi universelle, l'auteur de toute concorde, sans désir (puisque la divinité ne saurait rien désirer), mais non sans cette force qui, dans la vision ultime du Paradis de Dante, "meut le soleil et les autres étoiles". (pp. 164-5)

«Au- delà du désir reste peut-être, forgé et initié par lui, mais devenu désormais autonome et volant de ses propres ailes, aveugle mais déterminé, nu mais bardé de flèches, jeune quoique sans âge, celui qui tu n'oses nommer qu'en tremblant, lui qui selon Virgile, triomphe de tout et survit aussi, espères-tu, au désir lui-même: l'amour.» (p. 165)



sexta-feira, 13 de abril de 2018

CONTRA O LIBERALISMO

 

 Hybris


adieu Montesquieu, Locke et Kant !

La philosophie libérale originelle était une pensée de la limite, une quête de frontières à imposer à la toute-puissance des Églises ou des États, une volonté de séparer le judiciaire et l'exécutif, le temporel et le spirituel, le privé et le public, l'économique et le politique. Il s'agissait de saisir l'homme dans sa radicale finitude et de produire un antidote à l'hybris, la démesure qui mène les civilisations à leur perte. Or que voit-on aujourd'hui triompher sous le même nom de « libéralisme » ? Précisément l'inverse.

On voit se propager la confusion des sphères privées et publiques, les tentations monopolistiques, le refus de la finitude humaine, la volonté de toute -puissance. On voit des entreprises multinationales se jouer des lois de nations et leur imposer les leurs. On voit des groupes privés commençant à en savoir  - donc à en pouvoir - plus sur chacun d'entre nous que nos Ètats respectifs. On voit des pontes des Gafa (Google, Apple, Facebook et Amazon) réfléchir à un homme neuf, augmenté, débarrassé des contingences telles que la vie en commun ou la mort individuelle, concevoir les villes de demain, inventer les espaces publics à venir - des espaces publics qui auront la petite spécificité d'être privés - et planifier des îles artificielles échappant à tout État, ce vieux rêve de pirate enfin à portée de main.

On voit Mark Zuckerberg hésiter à se présenter à la présidence des Ètats-Unis, certain de gagner avant de jouer: soit il se porte candidat et confirme la tendance générale à l'abolition de la distinction entre le chef de l'entreprise et le chef d'État (seul un "bon" patron comme lui peut en chasser un "mauvais" comme Trump), soit il ne se lance pas dans la course et on déduira la vacuité de la chose politique ("il a mieux à faire"). On voit Thélème fleurir dans le Silicon Valley. Les commentateurs s'extasient sur le côté cool et désinvolte  de la communauté Google, oubliant que, chex Rabelais, le "Fais ce que voudras" de Thélème conduit au conformisme absolu («Si l'un ou l'une  d'entre eux disait: "Buvons", tous buvaient; s'il disait: "Jouons", tous jouaient. S'il disait: "Allons nous ébattre aux champs", tous y allaient») et suppose des masses des esclaves aux alentours de l'abbaye fantasmée pour que les élus puissent s'adonner à leurs plaisirs.

On voit, en un mot comme en mille, les individus les plus riches du monde produire une utopie, le transhumanisme, et avoir les moyens de la réaliser. Car il ne s'agit pas là simplement de business, mais bien de vision du monde. De philosophie. Les Rockefeller d'aujourd'hui se voient en réincarnations 2.0 des rois philosophes de Platon. Ces jeunes milliardaires proclament la mort de la mort: «Elle était hier un mystère, elle est désormais un problème à résoudre», avance Peter Thiel, ancien étudiant en philosophie devenu investisseur phare de la Silicon Valley, décidant de ses placements en fonction de ses idées plutôt que l'inverse. Nous allons vers quelque chose qui est loin, très loin de Locke. Ou de Smith. Certes, nous y allons en bermuda et en claquettes, sans costume ni cravate, à coups de "likes" et "smileys", mais nous y allons quand même, à toute vitesse. L'histoire retiendra qu'en ce début de siècle le libéralisme poussé à son paroxysme donna naissance à son antithèse: l'hybris ultralibérale des Gafa. Il est temps d'explorer la doctrine des maîtres-penseurs de l'époque. Pour comprendre ce vers quoi nous avançons. Et, peut-être - qui sait? - saisir l'impérieuse necessité de ne pas s'y rendre.

Montesquieu, reviens, ils sont devenus fous!

 

domingo, 8 de abril de 2018

SOBRE O BRASIL




Transcrevo:

Operação: Abate Da Asa Sul
BRICS



O Brasil sempre foi alvo da famosa e subterrânea rede Atlas!
 

Uma rede de esperações especiais, meio civil meio militar, constituída por contractors para-"civis" (mercenários), corporações, ONGs, e Fundações como a Open Society do Soros e outras que tais, e agentes da CIA, mais ou menos reformados, que impõem os interesses americanos e a influência americana na América do sul, sempre considerada como seu quintal!
 

Rede Atlas essa, herdeira das antigas intervenções de canhoeira, iniciadas pela América com a guerra das Bananas em 1898, e que se tornaram demasiado escandalosas depois do caso Noriega!...
A que ainda acresce no caso Lula/Dilma, a Acção conjunta destes, e dos interesses urgentes do DEP de Estado Americano, para separar e fazer cair a asa Sul do BRICS, aproveitando e saqueando as riquezas do pré-sal, as terras raras, e demais matérias primas, e aproveitando para ir vendendo, às corpoações do norte, tudo a patacos, como a Embraer à Boing e a concessão do Aquifero Guarani à Coca-Cola e Nestlé por tuta e meia, veja-se o que Temer tem feito!
 

Neutralizando assim a saída do Brasil da zona de influência americana!
É 2 em 1.


»»»» "Encontro do BRIC lança desafio à ordem econômica mundial
 

Nádia Pontes
In DW


Encontro do BRIC (16.04.2010) lança desafio à ordem econômica mundial
 

A pedido de Hu Jintao, presidente Lula antecipa o segundo encontro entre líderes do Brasil, Rússia, Índia e China. Lideranças emitiram documento em que pedem mais espaço e mais autoridade na ordem econômica mundial.

A segunda Cúpula BRIC foi cheia de imprevistos: programado para acontecer nesta sexta-feira, o encontro entre Brasil, Rússia, Índia e China foi antecipado para a quinta-feira (15/04). E as declarações finais dos líderes ficaram aquém das expectativas.

O motivo da improvisação foi um pedido do presidente chinês, Hu Jintao, a Lula para que as negociações fossem antecipadas. Jintao voltou para a China logo após seu pronunciamento, devido ao terremoto que abalou o país asiático.

Devido às alterações no programa oficial, a movimentação no Itamaraty foi acima do normal – a sede do Ministério de Relações Exteriores abrigou dois encontros de cúpula num único dia: depois da quarta reunião do IBAS entre os líderes da Índia, Brasil e África do Sul, os representantes do BRIC se encontraram e estenderam as conversas até tarde da noite da quinta-feira.

Declaração padrão

E a declaração conjunta assinada ao fim do segundo encontro também acrescentou pouco ao que já havia sido dito anteriormente: os líderes pedem mudanças em instituições como as Nações Unidas, Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial. "Brasil, Rússia, Índia e China têm papel fundamental a desempenhar na construção dessa ordem internacional mais justa, representativa e segura", disse Lula.

"Acreditamos que uma maior cooperação entre os nossos países é boa para o mundo. O BRIC não nasceu da crise, mas da fé do nosso povo e da nossa economia. Mas a crise deu uma relevância maior ao BRIC", ressaltou o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh.

Já Hu Jintao destacou a proximidade do grupo: "Desde junho do ano passado, estreitamos relações entre os países para enfrentar a crise econômica mundial". E chamou a responsabilidade para os países emergentes: "Queremos promover a retomada da economia mundial", afirmou.

Debates paralelos

Outros assuntos também foram debatidos na cúpula "É consenso nossa disposição em combater desafios globais como o terrorismo, a criminalidade organizada, o narcotráfico. Tudo o que estamos discutindo reflete os problemas com os quais nossos governos se deparam", declarou Dimitri Medvedev, presidente da Rússia.

Vários convênios de cooperação foram assinados entre os quatro países em diversas áreas, dentre elas agricultura, justiça e estatísticas – o BRIC publicará anualmente uma série de dados referente à economia do grupo.

A expectativa era que a segunda Cúpula BRIC focasse um assunto que ficara de fora do primeiro encontro: a discussão de uma moeda regional, que pudesse facilitar as trocas de comércio, de investimento entre os países sem intermediação do dólar. Mas não houve avanços nesse campo, além de a declaração conjunta citar o encontro entre os ministros da área para discutir mecanismos para criação de uma moeda regional.

Brasil e China mais próximos

Lula e Hu Jintao assinaram um Plano de Ação Conjunta 2010-1014 com o objetivo de estreitar as relações bilaterais em campos como energia e agricultura. Apesar de o texto falar de "um espírito de igualdade", há diferenças entre as duas nações que podem comprometer principalmente o Brasil.

"Não podemos descuidar da competitividade da indústria e diversificar para mercados que compram da gente produtos de maior valor agregado. O Brasil pode se tornar apenas um grande fornecedor de matéria-prima, e isso é perigoso. A relação com a China precisa ser mais bem discutida", ressaltou Luciana Acioly, coordenadora de estudos de relações econômicas internacionais do Ipea, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

A intenção de aproximar os dois países vai além dos acordos comerciais: Brasil e China e anunciaram que a intenção de criar uma rota direta ligando-os. Para tal, contam com o engajamento das empresas aéreas de ambos os lados."

»»» "BRICS desafiam a ordem econômica internacional
 

Rodolfo Alves

Durante a V Cúpula do BRICS, em 27 de Março de 2013, os países do eixo decidiram pela criação de um Banco Internacional do grupo, o que desagradou profundamente os Estados Unidos e a Inglaterra, países responsáveis pelo FMI e Banco Mundial, respectivamente. A decisão sobre o banco do BRICS ainda não foi oficializada, mas deve se concretizar nos próximos anos. A ideia é fomentar e garantir o desenvolvimento da economia dos países-membros do BRICS e de demais nações subdesenvolvidas ou em desenvolvimento.

Outra medida que também não agradou aos EUA e Reino Unido foi a criação de um contingente de reserva no valor de 100 bilhões de dólares. Tal medida foi tomada com o objetivo de garantir a estabilidade econômica dos 5 países que fazem parte do grupo.

Com essas decisões, é possível perceber a importância econômica e política desse grupo, assim como também é possível vislumbrar a emergência de uma rivalidade entre o BRICS, os EUA e a União Europeia."

»»»» "De Dilma a Temer: o que mudou e o que segue igual no Brasil
 

João Paulo Charleaux
In Nexo


O afastamento de Dilma Rousseff (PT), no dia 12 de maio de 2016, e a ascensão do vice Michel Temer (PMDB) à presidência da República deu início a uma série de mudanças econômicas e políticas que completam dez meses em março. Na economia, o ajuste fiscal prometido por Dilma acabou acelerado e aprofundado. Temer conseguiu aprovar a criação de um teto de gastos públicos por um período de 20 anos e tenta emplacar agora propostas de mudanças profundas na Previdência e nas leis trabalhistas. Na política, o primeiro escalão do governo perdeu representantes do PT e do PCdoB para dar lugar à antiga oposição, capitaneada pelo PSDB e pelo DEM. O PMDB e outros partidos que romperam com Dilma durante o impeachment voltaram a se unir em torno de Temer. A Lava Jato, operação contra corrupção com impactos tanto na política quanto na economia, ganhou força com a delação premiada de ex-executivos da Odebrecht, principal empreiteira do país. Se no momento pré-impeachment a operação se concentrou no PT, as novas revelações mostraram um envolvimento mais amplo dos partidos, incluindo as cúpulas do PMDB e do agora governista PSDB. A partir dessas constatações, o Nexo conversou com dois economistas e dois cientistas políticos a fim de que analisassem, de forma mais ampla, o que de fato mudou e o que seguiu igual no país com a troca de Dilma por Temer."

»»»» Supremo nega habeas por 6 a 5 e abre caminho para prisão de Lula
 

Rafael Moraes Moura, Breno Pires, Amanda Pupo, Teo Cury e Julia Lindner
In Estadão.


Após quase 11 horas de julgamento, Corte frustra pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente

»»»» Lula pode ser candidato e eleito presidente mesmo se estiver preso? Ana Carla Bermúdez Do UOL, em São Paulo... -

Derrotado no Supremo e condenado em segunda instância, o ex-presidente ainda poderá ser candidato à Presidência da República? Ele poderá ser eleito mesmo se estiver preso? "A legislação brasileira permite que qualquer cidadão rea... - Veja mais em https://eleicoes.uol.com.br/…/com-habeas-corpus-negado-lula…

»»»» Generais brasileiros assumem o golpe
 

Daniel Oliveira
In Expresso 04.04.2018 às 18h00


Em Estados democráticos de direito os miliares obedecem aos políticos e nada dizem sobre a justiça. No Brasil, os militares dão ordens à justiça e esta decide o futuro da política. Todos sabíamos que isto era um processo político, mas com as armas apontadas à cabeça dos juízes fica tudo mais claro

Tenho acompanhado, em todos os momentos, o golpe político em curso no Brasil. Do impeachment de Dilma Rousseff (AQUI, AQUI e AQUI) ao grotesco processo contra Lula da Silva (AQUI e AQUI), passando pela perversidade política de processos como o Lava-Jato (AQUI e AQUI) e pelo clima que está criado no Brasil (AQUI). Para não repetir tudo o que fui escrevendo, e não se conhecendo ao certo a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o pedido de habeas corpus de Lula da Silva, à hora a que escrevo este texto, concentro-me apenas no comportamento dos militares nas horas antes da decisão ser tomada. Porque ele é o melhor retrato do que está a acontecer.