domingo, 30 de junho de 2013


Morreu ontem, com 82 anos,  o jornalista e escritor Guilherme de Melo. Nascido em Lourenço Marques, iniciou a sua carreira em Moçambique, como jornalista do "Notícias", de Lourenço Marques, tendo vindo para Portugal em 1974, e passando a desempenhar funções desde 1975 no "Diário de Notícias", donde estava reformado há mais de dez anos.

Publicou diversos livros, nomeadamente A Sombra dos Dias (1981), romance autobiográfico sobre a vida em Moçambique ao longo de meio século.

sexta-feira, 28 de junho de 2013


Protestos contra o presidente Morsi

Estão a decorrer grandes manifestações em várias cidades do Egipto, nomeadamente no Cairo e em Alexandria, entre apoiantes do presidente Morsi, que pretendem assinalar o aniversário da sua tomada de posse, que ocorre no domingo, e a Oposição ao regime vigente, apoiado pela Irmandade Muçulmana.

Dos confrontos registados até ao momento há dezenas de feridos e dois mortos, um dos quais americano.

Um importante clérigo da Universidade de Al-Azhar avisou já que o Egipto se encontra à beira da guerra civil.

O ex-presidente Mubarak deve estar a sorrir na prisão.

Toda a imprensa internacional está a atribuir a maior importância aos acontecimentos no Egipto.

Transcreve-se notícia da Al Jazira:

Cairo - Thousands of supporters of Egyptian President Mohamed Morsi have gathered here as political violence continued to worsen across the country, with at least two people killed in the northern city of Alexandria.

Clashes broke out on Friday between pro- and anti-government protesters in Alexandria's Sidi Gaber neighbourhood, outside the local headquarters of the Muslim Brotherhood’s Freedom and Justice Party (FJP).

Local health officials said that two people were killed, one of them an American citizen who was stabbed, the other an Egyptian who died from gunshot wounds.

Police said the American was taking photographs of the fighting, but was not believed to be a journalist. Protesters also set fire to the party's offices.

Violent clashes were reported in several other governorates; at least one person was killed early Friday morning in Sharqiya, in the Nile Delta region, after protesters attacked the FJP offices there.

The rallies in Cairo remained calm, but tensions are clearly running high ahead of nationwide anti-government protests planned for Sunday. On the outskirts of the pro-Morsi rally, rows of men armed with batons and metal rods checked IDs and frisked attendees.

A senior scholar from Al-Azhar, Egypt's highest Sunni religious authority, warned of worsening violence which he blamed on "criminal gangs".

"Vigilance is required to ensure we do not slide into civil war," said Hassan el-Shafei, in remarks carried by state media.

'Here to defend my voice'

Sunday's protests, which organisers hope will draw millions of Egyptians to the streets, will demand that Morsi resign and cede power to a transitional government.

The rally on Friday was intended as a preemptive strike, a chance for organisers to show that Morsi still commands majority support.

"Don't believe that everyone is against the president," said Naeem Ghanem, carrying banners accusing the opposition of working with the United States and Israel. "Ninety percent of the people are with Morsi."
The rally was dubbed "legitimacy is a red line," and demonstrators kept returning to that theme, arguing that the only way to remove the democratically-elected president is through the ballot box. Sunday will mark the end of the first year of Morsi's four-year term.

"I'm here to defend my voice. If you want Morsi to leave, that's fine, but after four years," said Taher Mohamed, manning a stall and selling pro-Morsi gear at the rally.
Protesters railed against popular media figures like satirist Bassem Youssef, accusing them of taking money from Western countries and misrepresenting Morsi's record.

They also mocked a grassroots campaign which claims to have collected signatures from 18 million people demanding Morsi’s resignation, a figure which, if accurate, would overshadow the 13 million votes that brought him to power.

The campaign is called "Tamarod," or "rebellion," and hundreds of their supporters gathered across town in Tahrir Square on Friday, waving red cards to symbolise their demand for Morsi's ouster.
But many of Morsi’s supporters dismiss it as a fraud, a vehicle for former president Hosni Mubarak's regime to regain power, and claim to have met people who signed the petition dozens of times. They have launched their own version, naming it "Tagarod," or "emptiness," and handed out signature forms at Friday's rally.

"But you can only sign it once! We will be watching," one campaigner joked, handing forms to a group of women.

"[The opposition] can oppose [Morsi] within the normal democratic process," said Diaa Agha, a senior member of the FJP's office in Cairo. "But unfortunately they refused all kinds of democracy. They want to overthrow legitimacy by doing illegal acts like the Tamarod campaign."

Demonstrators were largely supporters of the Brotherhood or of other Islamist parties, like the Building and Development Party, the political wing of the once-banned Gamaa al-Islamiyya. But the rally also attracted a number of people who described themselves as political independents.

"We didn't overthrow Mubarak because he was corrupt. We did it because there was no democracy," said Ismail Farid, a retired air force colonel attending the protest, who insisted that he “was not an Islamist.”
"And now the opposition, a minority in our country, wants thugs to remove our president."
Al Jazeera


Miguel-Ângelo Buonarroti (1475-1564), um dos maiores artistas da civilização ocidental, dispensa qualquer apresentação. Pintor, escultor, também arquitecto, a sua obra é justamente considerada como genial.

Talvez seja, porém, menos conhecida, a sua faceta literária, concretizada nos inúmeros poemas que escreveu, muitos dos quais dedicados à grande paixão da sua vida, o nobre romano Tommaso del Cavaliere (1509-1587), segundo a História, e as próprias palavras do Mestre, um dos mais lindos rapazes do seu tempo.

Escultura de Miguel-Ângelo, supostamente representando Tommaso del Cavaliere

O encontro de ambos ter-se-á dado em 1532, tendo Tommaso 23 anos e Miguel-Ângelo 57. Muito se tem insistido no carácter meramente platónico da paixão de Miguel-Angelo, talvez devido às alterações introduzidas nos textos pelo sobrinho-neto do artista, que pretendeu lançar sobre a vida do tio um manto diáfano de fantasia. Mas é evidente que este considerava Tommaso o ideal da beleza masculina, como consta das obras coevas e recentes, tal a de John Addington Symonds, um dos grandes especialistas na matéria.

Clicar na imagem para ler melhor

O escritor polaco Julian Stryjkowski (1905-1996) escreveu em 1982 uma curiosa novela, com fundamentação histórica, baseada nos amores entre os dois pintores, já que Tommaso recebera durante anos lições do mestre.

Esta pequena obra revela não só factos do relacionamento entre os dois homens, como episódios curiosos da vida de Miguel-Ângelo.

quarta-feira, 26 de junho de 2013


O novo Emir

O emir do Qatar, sheikh Hamad bin Khalifa Al-Thani transmitiu o poder ao seu filho sheikh Tamim bin Hamad Al-Thani, numa sucessão que se prevê marcada pela continuidade.

Transcrevemos o artigo do site da cadeia qatari Al.Jazira, sobre esta mudança num dos países do Golfo que mais se tem notado na política internacional nos últimos tempos:

There is no doubt that Sheikh Hamad bin Khalifa Al Thani is an extremely hard act to follow. In a region burdened with government inertia, many regard him as a visionary and trendsetter. His son and successor, Sheikh Tamim bin Hamad Al Thani, inherits this legacy in every practical sense. That means support for change in the Middle East, conflict resolution, economic development and a just peace in Palestine. To appreciate the magnitude of the challenge the new emir faces, it is necessary to assess the legacy of his predecessor.

When Qatar launched Al Jazeera satellite television in 1996, few expected that it would become a major force in the Middle East, let alone across the globe. Backed generously by the Qatari government, within a relatively short time it created a climate for, and love of, freedom of speech in a region where it was, and still is in some places, relatively rare. The channel gave a "voice to the voiceless" and a solid platform for public debate. In doing so, it has empowered the disenfranchised masses from Mauritania to Oman.
Ultimately, that new-found freedom was expressed in popular demands for change; for dignity and justice. For the first time since the demise of the Ottoman Empire, people felt that they were masters of their own destiny. In Egypt, for example, the once familiar sight of protesters corralling into Cairo University now seems a feature of the distant past.

Since the overthrow of the ageing dictatorships, Qatar has continued its principled support for transition. Tunisia, Egypt and Libya have all benefited substantially from soft loans, financial grants and investments. No other state in the region, or the world for that matter, has given as much as Qatar.
With its highly gifted and efficient diplomatic structure, the Qatari government has mediated in the region's bloodiest fratricidal conflicts. Doha is the capital of regional peacemaking. From Darfur to Somalia to Lebanon to Palestine, Qatar encouraged unity, inclusiveness and nation-building.  
Even in Syria, during the initial protests in 2011, the government of Sheikh Hamad bin Khalifa encouraged reconciliation between the Assad regime and its people. At the time, Doha was one of the closest allies of Damascus. When the Assad regime opted for a military solution instead of the political route, Qatar aligned itself with the just aspirations of the Syrian people. 

This was a textbook example of foreign policy that was not wedded to static dogma. Under the retiring emir, Qatari diplomacy came of age, capable of interpreting historical trends correctly and responding to their demands with detached, impassionate judgments. 

Beyond the Middle East, Qatar has often been referred to as the plucky Gulf state, which on account of its wealth punches above its weight. Even so, it takes much more than money to win something like the right to host the FIFA World Cup. Given the fierceness of the competition, often spearheaded by global powers, success in the bidding process takes considerable political acumen and diplomatic skill.
The London 2012 Olympic Games came about largely through the political lobbying of former British Prime Minister Tony Blair and the business community, as well as civil society. Likewise, without the tireless efforts of Sheikh Hamad bin Khalifa and his team, Doha would not be hosting the 2022 football tournament.
What must not be overlooked in this success is the role played by the Crown Prince, now emir, Sheikh Tamim. In this light, Qatar's enterprising forays and dynamism on the world stage look set to continue. 
On issues of hard power, such as the global "war on terror", Qatar's position was often channelled through its Al Jazeera network. It enabled millions to witness, in real time, how the wars in Afghanistan and Iraq were prosecuted. This led to acute tensions between Doha and the Bush administration in Washington, and deadly US attacks on Al Jazeera bureaus in Baghdad and Kabul

On the more intractable conflicts, Palestine most notably, Qatar's support for the Palestinians' quest for independence and self-determination is expected to continue. Because of the distinctive nature of the Palestine question, Doha will in all likelihood continue to use its regional influence to galvanise Arab consensus and support. Back in 2008, Sheikh Hamad bin Khalifa was pained deeply when the Arab League consensus was broken after he called for an emergency summit to discuss Israel's aggression against the Gaza Strip. There are, admittedly, no guarantees that his successor will have easy success in this regard.
Of all the files awaiting the new emir's attention, though, none compares to Jerusalem. Its legal status as an occupied city has not deterred the occupying power, Israel, from its Judaisation policy and ethnic cleansing campaign. Having recently taken the initiative to establish a special fund for the city, Qatar must, in the short-term, demonstrate commensurate political engagement. 

The self-declared motive for Sheikh Hamad bin Khalifa's early resignation is that the time has come for a new generation to assume leadership. After carefully laying the groundwork, installing the necessary machinery imbued with no less talent and vision, he decided to step down. The moderniser has gone but the modernisation of Qatari foreign policy will continue. There is, indeed, continuity in change.

Dr Daud Abdullah is director of the Middle East Monitor (MEMO) in London.
The views expressed in this article are the author's own and do not necessarily reflect Al Jazeera's editorial policy.
Al Jazeera

segunda-feira, 24 de junho de 2013


Num livro recente, o escrito búlgaro Ilija Trojanow (n. 1965) descreve, entre a realidade e a ficção, a vida de Sir Richard Francis Burton (1821-1890), geógrafo, explorador, tradutor, escritor, soldado, orientalista, espião, diplomata, linguista, etnologista e senhor de muitas outras qualificações que dele fizeram, mais do que tudo, um dos grandes aventureiros ingleses do século XIX.

A obra de Trojanow percorre a estada de Burton no antigo Império britânico das Índias, a sua passagem pela Arábia, onde se atreveu a ir a Meca (aliás ter-se-á convertido ao islão), a sua passagem pela África Oriental, nomeadamente Zanzibar e depois às alturas dos lagos Tanganica e Niassa e, por fim, a sua nomeação como cônsul em Fernando Pó, Santos, Damasco e Trieste, onde viria a morrer.  

Como escreve Trojanow, este "conto" segue, por vezes, quase ao pormenor, a sua biografia, e mesmo os textos publicados por Burton, mas o essencial do romance é fruto da imaginação do autor, tanto quanto nos informa no início do livro.

Para conhecimento da extensa biografia de Burton, nada como consultar o artigo que a Wikipedia lhe dedica, até porque a obra de Trojanow, uma narrativa não linear, e por vezes complexa, se perde em pormenores apenas interessantes para especialistas, traduzindo-se em mais de 500 páginas, algumas de inegável interesse para o estudo da personagem, da época, dos costumes de regiões ainda consideradas exóticas, numa época em que a Grã-Bretanha aspirava ao domínio do mundo.

Não deve omitir-se um aspecto que torna, de alguma forma, a leitura incómoda: é o livro acompanhado, no fim, de um Glossário, certamente indispensável para os menos familiarizados com expressões das regiões exploradas por Burton, mas que implica uma revisitação sistemática das últimas páginas. Suponho que as mesmas indicações, em nota de rodapé, facilitariam a leitura.

Deve-se a Burton, que falaria 29 línguas, europeias, asiáticas e africanas, a tradução não expurgada de As Mil e Uma Noites, a partir da primeira versão, francesa, de Antoine Galland, e a publicação, em inglês, do Kama Sutra. O livro de Trojanow omite um dos aspectos essenciais da vida e dos escritos de Burton;: o seu interesse pelo sexo e a sexualidade. É dado como adquirido, e é o único aspecto referido no livro, as visitas do oficial Burton aos inúmeros bordéis de rapazes (coisa naturalíssima para a época) existentes na Índia, com o pretexto de verificar se os mesmos eram assiduamente frequentados pelos soldados de Sua Majestade Britânica. O volume 10 da sua edição de As Mil e Uma Noites, intitulado Terminal Essay, consagra um ensaio intitulado "Pederasty", onde Burton sustenta que a homossexualidade masculina era largamente praticada na Índia, na Arábia e em África.

Todavia, o aspecto científico da sua obra, reconhecido pela Royal Geographical Society, permitiu-lhe não só escapar aos rigores da implacável censura "moral" vitoriana como ser mesmo nobilitado pela rainha.

Celibatário por natureza, Burton acabou por efectuar um casamento de conveniência, mas viveu quase sempre longe da esposa, não tendo deixado descendência.

Para os interessados propriamente na vida de Sir Richard, existem várias biografias, entre as quais as de Edward Rice e de Byron Farwell.

quinta-feira, 20 de junho de 2013


L'inconnu du lac, filme escrito e realizado por Alain Guiraudie, foi apresentado em 17 de Maio de 2013, no Festival de Cannes, e obteve a "Queer Palm" e o prémio de mise em scène para o realizador.

Tudo se passa entre homens, numa praia, rodeada de arbustos, que evoca perfeitamente os locais de engate em tempos idos, na Costa da Caparica, que foi, durante décadas, um símbolo internacional no género.

Tendo-se estreado a semana passada nos cinemas franceses, ainda não tive ocasião de vê-lo, nem está até o momento, disponível em dvd.

Para os leitores mais curiosos e interessados, passo a transcrever a notícia abrangente da Wikipedia, que o tempo me não permite de traduzir:

Durant l'été, au bord d'un magnifique lac ceinturé de collines et de forêts et loin, à ce qu'il semble, de toute habitation, se font bronzer des naturistes en majorité homosexuels masculins. Les sous-bois abritent des rencontres sexuelles furtives, dans un climat de promiscuité dénué de romantisme. Chaque jour, Franck pose sa serviette sur la plage de cailloux blancs. Là, il fait la connaissance d'Henri (que sa femme vient de quitter) et de Michel, plutôt bel homme qui lui plaît au premier regard. Mais Michel est un assassin et Franck le constate très vite puisqu'il le voit, un soir, depuis le sous-bois qui domine le lac, noyer son partenaire du moment. Bouleversé et effrayé mais toujours complètement sous le charme du meurtrier, Franck garde pour lui ce qu'il a vu, se rendant complice de celui qu'il désire. Il cède bientôt à ses avances et en devient passionnément épris, tout en devant cacher sa peur, afin que son amant ne devine pas qu'il sait.

Le noyé est découvert et identifié deux jours plus tard. Sa mort jugée suspecte amène sur les lieux un inspecteur de police qui, très vite, interroge le couple Franck-Michel ; les familiers du lieu trouvent généralement Michel bizarre et l'inspecteur doit le savoir ; mais Franck continue de protéger Michel en affirmant n'avoir rien remarqué d'anormal le soir de la noyade…

Tandis que l'inspecteur poursuit son enquête, et que la relation amoureuse, que Franck s'obstine à maintenir avec son amant psychopathe, piétine puisque ce dernier la limite catégoriquement aux après-midi passés au bord du lac, Henri, avec qui Franck a noué une amitié jusque là purement platonique, et qui a une compréhension au moins intuitive de tout ce qui s'est passé les jours précédents, le met nettement en garde contre Michel (« À ta place, j'aurais peur ! »). Franck, certainement, a peur mais son amant psychopathe arrivant sur ces entrefaites, il quitte Henri pour Michel et s'installe avec lui sur la plage un peu plus loin.

Profitant de ce que Franck est parti nager assez loin dans le lac, Henri va trouver Michel et lui dit sa conviction que la récente noyade n'est pas accidentelle, que l'inspecteur est lui aussi convaincu du meurtre et de connaître le meurtrier et que la nasse se referme lentement mais sûrement autour du criminel. Il regarde Michel d'un air entendu et goguenard, puis se lève et déclare qu'il va faire un tour dans les sous-bois. Y pénétrant, il jette un regard en arrière…

Franck qui est toujours à nager dans le lac, se retourne soudain vers la rive : Michel a disparu. Et Henri aussi : la plage est déserte. Saisi d'un mauvais pressentiment, Franck se précipite…

Dans le sous-bois, au pied d'un bosquet buissonneux, il trouve Henri mourant et tout baigné de sang : Michel l'a égorgé. Franck enlève son tee-shirt et essaie de stopper l'hémorragie mais Henri lui fait comprendre que c'est fini et qu'il l'a « bien cherché ». Henri mort, Franck, terrifié, s'enfuit en courant et se dissimule dans le bois. Le meurtrier le poursuit et tombe à l'improviste sur l'inspecteur : il l'abat d'un coup de couteau dans le ventre.

La nuit est venue. Franck, tapi derrière un buisson, voit le tueur en série passer et repasser à quelques mètres de sa cache, alors qu'il continue à le chercher activement en lui criant de se montrer, qu'il a besoin de lui, de son amour, qu'il veut passer la nuit avec lui, etc. Enfin, l'autre s'éloigne et va chercher plus loin : le danger semble passé. Alors, incompréhensiblement (pour quelqu'un qui n'est pas dans son délire), Franck se redresse et signale sa présence à son amant meurtrier en l'appelant par son prénom. Et il attend dans le noir, la peur au ventre et le cœur battant : c'est le plan final.

Merecedor dos maiores encómios e também de algumas críticas, cabe ao espectador formar a sua opinião depois de ver o filme.

Acresce, por dever de justiça, salientar que a Costa da Caparica não era commumente objecto de tão sanguinárias cenas. Tudo decorria por entre os brandos costumes portugueses. E ainda não tínhamos alcançado a globalização dos comportamentos sexuais, tão exaltados por uns e tão denegridos por outros.

terça-feira, 18 de junho de 2013


Reza Ghoochannejhad

Segundo o PÚBLICO, a selecção iraniana, orientada por Carlos Queiroz, classificou-se para o Campeonato do Mundo 2014, a disputar no Brasil, após ter vencido a Coreia do Sul por 1-0, graças a um espectacular golo de Reza Ghoochannejhad.

O jovem Reza, de 25 anos, também conhecido por Gucci, nasceu em Mashhad, no Irão, mas a família emigrou para a Holanda quando ele era ainda criança. Com um talento particular para a música, Reza, muito apreciado pelos holandeses, é também um conceituado violinista, sendo mais um atributo a juntar aos que já lhe são conhecidos.

Actualmente é jogador do Standard de Liège, e integra, como avançado, a selecção nacional do Irão.

domingo, 16 de junho de 2013


Como se previa, Hassan Rohani, o único candidato moderado às eleições iranianas, venceu à primeira volta por 50,68% dos votos, segundo informa o PÚBLICO, obtendo 18,6 milhões de votos.

A eleição de Rohani, o mais afastado da linha dura do ayatollah Ali Khamenei, prometeu uma carta de direitos cívicos, a recuperação da economia, francamente em crise, e a melhoria das relações diplomáticas e comerciais com o Ocidente.

Não foi evocada a questão central do projecto nuclear, demasiado sensível, inclusive aos olhos da população iraniana. Resta saber até onde o novo presidente do Irão terá capacidade de manobra, face à intransigência da "classe religiosa" protagonizada pelo Guia Supremo.

De qualquer forma, o dia de ontem foi de júbilo nas ruas de Teerão e de outras cidades, pela vitória do único candidato não extremista aceite pela "nomenklatura" dos ayatollahs que se encarrega da vigilância política, e também dos "bons costumes", numa sociedade cada vez maisi secularizada, instruída e apetrechada com as novas tecnologias da informação. Não subsiste qualquer dúvida que, para o bem e para o mal, a revolução nos meios de comunicação alterou por completo o status dos regimes totalitários.

A ver vamos...

sábado, 15 de junho de 2013


Segundo informa o PÚBLICO, o candidato conservador moderado Hassan Rohani encontra-se à frente dos seus concorrentes na contagem dos votos, com 51,2 %, estando apurados os resultados de 36 % das meses de voto, o que se traduz, para já, em 6,05 milhões de votos.

O candidato "oficial" da linha dura, Said Jalili, protagonizada pelo Guia Suprema, ayatollah Ali Khamenei, obteve até ao momento apenas 11,5% da votação.

Hassan Rohani, de 64 anos, é o mais próximo do campo reformista, cujos candidatos foram impedidos de se candidatarem pelas altas instâncias religiosas.

A confirmar-se a eleição de Rohani, talvez alguma coisa comece progressivamente a mudar no antigo Império Persa.


Interroga-se "The Economist" da semana passada, a propósito do primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan: Democrat or sultan? A posição de intransigência demonstrada por Erdogan relativamente à construção de um centro comercial no Parque Gezi, de Istanbul, para além de uma incompreensível teimosia, leva a supor que importantes interesses imobiliários estarão em jogo. Nada justifica que se destrua a única zona verde do centro da parte "moderna " de Istanbul, pelo simples capricho da reconstrução de uma caserna otomana albergando, ou contígua a um centro comercial.

A oposição ao projecto do líder do Partido da Justiça e Desenvolvimento, que encontra adeptos nos próprios militantes do AKP, veio suscitar uma questão latente há vários anos na Turquia: a laicidade do Estado.

Começa a tornar-se evidente que, confortado com 50% dos votos nas últimas eleições, Erdogan pretende iniciar (ou continuar) uma islamização do país, onde os cidadãos urbanos, e especialmente os jovens, se mantêm fiéis à herança republicana e laica de Kemal Atatürk.

Parece que, após declarações inflamadas, Erdogan regressou a um diálogo, ainda que ténue, com os ocupantes do famoso parque e da praça Taksim, que lhe é adjacente.

De uma coisa não restam dúvidas: a Turquia sai enfraquecida deste confronto desnecessário, o turismo caiu rapidamente e as pretensões do governo turco quanto ao retomar de uma certa hegemonia (otomana) sobre o mundo árabe sofreram um duro revés.

E regressa a velha questão: é a Democracia compatível com o Islão?  É certamente compatível com a religião muçulmana, não o é com o radicalismo islâmico como, de resto, os salafistas apregoam alto e bom som.

Os próximos dias, ou semanas, permitirão compreender melhor os desafios que se colocam ao poder estabelecido em Ankara.

quinta-feira, 13 de junho de 2013


Transcrevemos do jornal "i", o texto em que a ex-ministra francesa da Justiça, Rachida Dati, exige a demissão de Durão Barroso:

A ministra do executivo de Sarkozy condenou a intenção de Barroso de querer negociar, em prejuízo, na sua opinião, da defesa da exceção cultural europeia

A ex-ministra da Justiça francesa, Rachida Dati, exigiu hoje a demissão do presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, acusando-o de “ineficácia” e de se “curvar” perante os Estados Unidos.

“O senhor Barroso deve ir-se embora, e depressa. A sua falta de coragem e a sua ineficácia prejudicaram decididamente muito os europeus”, afirmou em comunicado a deputada europeia do PPE (Partido Popular Europeu, centro-direita).

A ministra do executivo de Sarkozy condenou a intenção de Barroso de querer negociar, em prejuízo, na sua opinião, da defesa da exceção cultural europeia, um acordo de livre comércio com os Estados Unidos.

“Para que serve a Comissão Europeia se, por medo dos seus parceiros comerciais, ela se recusa a defender os europeus e tudo o que constitui a nossa especificidade? O senhor Barroso está a curvar-se perante os Estados Unidos antes mesmo de as negociações começarem”, sustentou.

Referindo-se ao encerramento das estações públicas gregas de rádio e televisão ERT, Rachida Dato considerou que se trata de “um símbolo trágico do fracasso da Europa em proteger o povo grego”.

“Se a Grécia está num tal estado atualmente, a Europa não está isenta de responsabilidades”, observou.

Para a ex-ministra, o chefe do executivo europeu vive “acima da realidade dos europeus” e é em grande parte responsável pelo “euroceticismo atualmente em crescimento na Europa”.

“Se queremos salvar a Europa, devemos começar por desembaraçarmo-nos de todos os ‘tecnocratas’ que vivem tranquilos acima das realidades dos europeus”, acrescentou, incluindo nas suas críticas o comissário dos Assuntos Económicos, Olli Rehn.

*Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico aplicado pela agência Lusa


Recordemos o Poeta, no 125º aniversário do seu nascimento.


Olha, Daisy: quando eu morrer tu hás de
dizer aos meus amigos aí de Londres,
embora não o sintas, que tu escondes
a grande dor da minha morte. Irás de

Londres p'ra Iorque, onde nasceste (dizes...
que eu nada que tu digas acredito),
contar àquele pobre rapazito
que me deu tantas horas tão felizes,

embora não o saibas, que morri...
mesmo êle, a quem eu tanto julguei amar,
nada se importará... Depois vai dar

a notícia a essa estranha Cecily
que acreditava que eu seria grande…
Raios partam a vida e quem lá ande!...

Álvaro de Campos (Dezembro de 1922)

(Texto segundo a edição da Obra Poética, organização de Maria Aliete Galhoz, edição Aguilar, Rio de Janeiro, 1965)

quarta-feira, 12 de junho de 2013


Segundo o PÚBLICO, depois de Lazar Markovic e Miralem Sulejmani, eis que chega um terceiro reforço sérvio para a equipa do Benfica, o jogador Filip Djuricic.

O médio, de 21 anos, proveniente do Heerenveen, assinou um contrato válido para as próximas cinco temporadas.

Djuricic, que se considera um jogador criativo, revelou as suas aptidões durante os três anos que esteve no clube holandês, e a sua presença em Portugal contribuirá para cimentar as relações luso-sérvias.

segunda-feira, 10 de junho de 2013


Frédéric Martel, investigador do Institut de Relations Internationales et Stratégiques e jornalista de Radio France publicou recentemente uma obra do maior interesse, não só pela abrangência do tema mas porque pioneira na matéria: Global Gay.

Desenvolve Martel a tese que subintitula o livro: "Comment la Révolution Gay Change le Monde". De facto, o autor percorreu, nomeadamente nos últimos cinco anos, 45 países (alguns visitados mais do que uma vez), desde os Estados Unidos e alguns países da América Latina, à Europa (especialmente de Leste), ao Mundo Árabe, à Turquia, ao Irão, à China, à Índia e ao Extremo Oriente.

Inquirindo e comentando a vida LGBT nesses países, encontrando-se com militantes da causa, com organizações oficiais ou clandestinas, entrevistando cidadãos comuns, Frédéric Martel traça-nos um panorama da vida nesses países, descrevendo lugares e formas de contacto,no que descreve como um movimento irreversível dos direitos dos cidadãos, já assumidos pelas Nações Unidas como "direitos humanos".

Não é Global Gay um gay guide, como tantos existem, mas uma obra de pesquisa e uma tentativa de compreensão de uma realidade que, sempre tendo existido, se começa progressivamente a manifestar à luz do dia, e a ser aceite, se não teoricamente pelo menos na prática, mesmo pelos países aonde ainda é penalizada, ou até mesmo naqueles em que as práticas homossexuais são sujeitas à pena de morte. A este respeito é muito curiosa a sua descrição da situação no Irão, país que mantém a pena capital mas onde subsiste uma actividade underground tão vasta que impede o regime de aplicar a lei, salvo em casos de evidência notória e como exemplo para os cidadãos que desafiem abertamente os preceitos da República Islâmica. Como se refere no livro, um iraniano terá afirmado que no Irão "não há homossexuais", tese sustentada por Ahmadinejad nos Estados Unidos, porque também "não há heterossexuais",  mas sim uma cultura ambivalente, de tradição secular no mundo islâmico, como é aliás reconhecido por historiadores, antropólogos e sociólogos.

Enfatiza Martel o papel das redes sociais na progressiva aceitação pública de matéria até há pouco reservada à vida privada e tão só abordada nos estudos de especialistas e nas memórias dos viajantes. E não se julgue que a sharia é a única inimiga dos direitos de gays e lésbicas porque a acção deletéria das seitas evangélicas norte-americanas e dos seus sinistros tele-pregadores é tão nociva à harmónica convivência social (a África Negra é um exemplo flagrante) como por exemplo as teses expendidas na cadeia Al-Jazira pelo incansável sheikh Yussef Qaradawi, um egípcio naturalizado qatari que se tornou um consultor televisivo em matéria de costumes para grande parte do mundo árabe.

Não é possível referir aqui as nuances do problema em todos os países inquiridos (Portugal não está incluído mas também não interessa particularmente ao objecto do estudo), mas a obra de Martel é indiscutivelmente relevante para uma primeira abordagem da questão a nível mundial.

Na era da globalização, não é mais possível esconder uma realidade que salta aos olhos dos menos prevenidos e que, até do ponto de vista económico, começa a ser levada em conta pelos governos dos países que incentivam o turismo e o comércio mundial.

Ignoro se a pesquisa de Frédéric Martel está pontualmente enformada de algum proselitismo, mas é inegável que os elementos objectivos que refere são absolutamente incontestáveis e passíveis de ser confirmados no terreno.

O livro Global Gay abre as portas a investigações mais pormenorizadas, esperando-se que nesta longa caminhada da assunção dos direitos humanos não se registem retrocessos, com o pretexto de interditos religiosos que decorrem de leituras redutoras dos "livros sagrados" das religiões monoteístas, mais concretamente da Torah judaica, fonte primeira onde a Bíblia cristã e o Corão muçulmano beberam as ideias, assentes em factos historicamente falsos, da destruição de Sodoma, punida por actos dos seus cidadãos que em nada seriam diferentes dos seus congéneres da região e do mundo.

sábado, 8 de junho de 2013


Coloca-se com insistência a hipótese da transferência do marroquino  Zakaria Labyad, a quem já nos referimos aqui, do Sporting para o Futebol Clube do Porto.

A imagem do jornal "Record"  é sugestiva, mas não cremos que fosse necessário a Labyad puxar a camisola para cima para exibir o físico. Ninguém tem dúvidas dos atributos do jovem jogador.

sexta-feira, 7 de junho de 2013


Mustafa Kemal Pasha, que ficou conhecido na História como Kemal Atatürk (pai dos turcos), nasceu em Salónica, em 19 de Maio de 1881, e morreu em Istanbul, no Palácio Dolmabahçe, em 10 de Novembro de 1938, às 9.05, hora a que ficaram desde então parados todos os relógios da sumptuosa mansão, uma construção esteticamente híbrida sobre o Bósforo, mandada construir por Abdülmecid I, e que pretendia evocar, de alguma forma, o Palácio de Versalhes.

Homem de vasta cultura, insigne estadista, militar de excepcionais virtudes, devem-se-lhe diversas vitórias nas guerras que travou e deve-lhe, também, a Turquia manter o seu actual território, quando após a derrota do Império Otomano no fim da Primeira Guerra Mundial, as potências vencedoras da Tríplice Entente procuraram desmembrar a maior parte do país. Recusando aceitar as disposições do Tratado de Sèvres (1922), acabou por obter o reconhecimento desejado no Tratado de Lausanne (1923), conservando a nova Turquia uma parte pequena na Europa e a totalidade da Anatólia, além de alguns acréscimos, perdido que estava definitivamente o Médio Oriente, já prévia e secretamente partilhado entre a Inglaterra e a França pelos Acordos de Sykes/Picot (1917).

Atatürk foi também um homem dotado de especial sensibilidade no que às artes e às letras respeita, cuidando com especial afecto dos seus 13 filhos adoptivos, já que do seu efémero casamento com Latife Usakizâde não houve descendência.

Não cabe, obviamente, neste post, a riquíssima biografia de Kemal Atatürk, que pode ser consultada nos livros da especialidade ou mais simplesmente no site da Wikipedia.

Deve todavia referir-se que Atatürk se esforçou por modernizar o país, introduzindo profundas reformas, desde o estabelecimento de um Estado laico (com a abolição do Califado em 1924) à introdução, ciclópica tarefa, do alfabeto latino na língua turca, em substituição dos caracteres árabes até então utilizados, como ainda hoje se verifica no Irão.

Em 29 de Outubro de 1923 foi proclamada a República da Turquia, com Atatürk como presidente, posto que ocupou até à morte. O Sultanato fora abolido em 1922 e em 13 de Outubro de 1923, dias antes da independência do novo Estado, a capital fora transferida da histórica Istanbul para a cidade de Ankara, no centro do país.

* * * * *

No momento em que se registam graves confrontos na Turquia, iniciados com o protesto contra a destruição do Parque Gezi (o equivalente ao nosso Parque Eduardo VII), em Taksim, um projecto do actual primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan que levará, se for por diante, à eliminação da única zona verde do centro europeu moderno de Istanbul.

Reprimido com inusitada violência, este protesto inicialmente pacífico degenerou em graves incidentes com a polícia, de que resultaram mais de 1.000 feridos, além de alguns mortos, tendo alastrado de Istanbul a Ankara, a Izmir e mais cerca de 40 cidades. O próprio presidente da República, Abdullah Gül interveio para acalmar os ânimos, lembrando que a maioria de que o Governo dispõe na Assembleia não lhe permite ignorar a existência de posições distintas, mas Erdogan, regressado de uma visita aos países do Maghreb, reiterou a sua intenção ditatorial de manter as decisões iniciais.

Eleito como um islamista moderado, Erdogan tem-se progressivamente afirmado como um defensor da aplicação dos princípios mais restritos da lei islâmica, desde a proibição da venda de bebidas alcoólicas em muitas zonas do país à interdição de manifestações públicas de afectos. Assim, os protestos contra a destruição do Parque Gezi tornaram-se numa contestação frontal da política de islamização de Erdogan, não obstante este dispor de 50% dos lugares na Assembleia Nacional.

 As ambições de Erdogan tornam-se dia a dia mais evidentes. O primeiro-ministro pretende alterar a Constituição e criar uma república presidencialista, em que, candidato nas próximas eleições, acumularia a chefia do Estado com a chefia do Governo. Por isso, a contestação a Erdogan não é só nas ruas, ou nas redes sociais, que ele proclama inimigas da democracia, mas dentro do próprio partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), inquieto com a deriva autoritária do seu chefe.

Esperamos, e desejamos, que as pretensões de Erdogan, não passarão!


EUA com acesso directo a informação de utilizadores do Google, Facebook e Apple

Programa iniciado em 2007 dá acesso a informação e contactos de utilizadores da Microsoft, Yahoo, Google, Facebook, PalTalk, AOL, Skype, YouTube e Apple. Empresas negam envolvimento.

 * * *

A Agência de Segurança Nacional (NSA) e o FBI têm tido acesso directo aos servidores de nove gigantes tecnológicos como Microsoft, Google, Apple, You Tube ou Facebook. Acederam assim a informação e contactos dos utilizadores, segundo um documento secreto a que os jornais The Washington Post e The Guardian tiveram acesso.

O programa de recolha de dados, comonome de código PRISM, começou em 2007, na Presidência Bush, e prosseguiu na administração Obama.

As informações sobre o acesso aos servidores surge depois de divulgado o controlo pela administração norte-americana de registos de milhares de chamadas da telefónica Verizon e revela novas práticas de vigilância dos Estados Unidos.

O programa secreto abrange nove importantes empresas tecnológicas – Microsoft, Yahoo, Google,
Facebook, PalTalk, AOL, Skype, You Tube e Apple . Os documento citado pelos dois diários indica que as empresas cooperaram no programa, o que é por elas negado.

O Guardian diz ter verificado a atencidade do documento em que o PRISM é descrito. Trata-se, escreve o jornal, de Power Point de 41 slides usado para treinar operacionais dos serviços de espionagem.

“Os membros do Congresso que conheciam o programa estavam obrigados por juramento a não revelar a sua existência”, escreve o Washington Post. O PRISM “permite à NSA copiar o conteúdo dos emails, dos arquivos enviados e das conversas nos chats”, refere o Guardian. O Post diz que também áudios, vídeos e fotografias são elementos susceptíveis de serem investigados.

A Administração Obama considera legal o acesso aos dados, diz que o PRISM foi montado com conhecimento do Congresso e que em momento algum ameaçou a privacidade dos cidadãos norte-americanos.

“A informação copiada através deste programa está entre a mais importante e valiosa que temos obtido e serviu para proteger a nossa nação de uma ampla variedade de ameaças”, disse James Clapper, director nacional dos serviços de espionagem.

Clapper disse que as informações reveladas pelos jornais têm “numerosas incorrecções” mas não esclareceu quais. E acrescentou que os visados pelo controlo das comunicações não são cidadãos norte-americanos. A fuga de informação é “uma ameaça potencial à nossa capacidade para identificar e responder aos riscos com que o nosso país é confrontado”, declarou, num comunicado, citado pela AFP.

“A prioridade número um do Presidente é a segurança nacional dos Estados Unidos. Devemos ter os instrumentos necessários para enfrentar às ameaças dos terroristas”, disse Josh Earnest, porta-voz da Casa Branca.

"Se estão a fazer é sem o nosso conhecimento"

As empresas emitiram comunicados em que defendem a sua política de privacidade enegam ter permitido o acesso a dados.

"A Google não tem uma "porta traseira" para o Governo aceder a informação privada dos utilizadores", reagiu a empresa.

 "Não fornecemos  a nenhuma organização governamental acesso directo aos servidores do Facebook", disse Joe Sullivana, responsável pela segurança da rede social, citado pelo Post. "Quando são solicitada ao Facebook dados ou informações,  verificamos com todo o cuidado se o pedido é feito de acordo com as leis". 

Executivos das empresas tecnoloógicas citados pelo Post disseram nunca antes terem ouvido falar do PRIM nem de qualquer programa semelhante. "Se estão a fazer isso, estão a fazê-lo sem o nosso conhecimento", disse um deles.
A legislação dos Estados Unidos, lembra o diário El País, permite copiar informação de clientes de empresas que residam fora do país ou de norte-americanos cujas comunicações incluam pessoas que estejam fora de território americano. Nos restantes casos é necessária autorização judicial, salvo situações especiais previstas na Lei de Supervisão da Informação Estrangeira.

quarta-feira, 5 de junho de 2013


Como escrevemos aqui, a Comédie-Française apresenta, desde 18 de Maio, a peça Rituel pour une Métamorphose, do dramaturgo sírio Saadallah Wannous. É a primeira vez que o Français apresenta uma peça árabe (em tradução francesa), o que não causa verdadeira admiração, tal é o atraso com que aquela veneranda instituição leva à cena os mais famosos textos da dramaturgia contemporânea, inclusive de autores franceses.

Saadallah Wannous (1941-1997) nasceu em Hussein al-Bahr, perto de Tartus, tendo estudado jornalismo no Cairo. Foi editor cultural do jornal sírio "Al-Baath" e do jornal libanês "As- Safir". Em 1965, partiu para Paris, para aí estudar teatro, sendo influenciado pelas diferentes correntes do teatro europeu. De regresso à Síria, escreveu cerca de 20 peças de teatro, que vieram a influenciar profundamente todo o teatro árabe contemporâneo. Apoiando-se no património árabe clássico, criticou incansavelmente os laços entre o indivíduo e o poder.

Foi o criador do primeiro festival de teatro da Síria, e da revista "A Vida do Teatro". Deve-se-lhe igualmente a fundação do Instituto Superior de Teatro da Síria. Considerado um dos grandes homens de teatro da língua árabe, morreu prematuramente em 1997, sem que o seu nome alcançasse no Ocidente a projecção de que goza, por exemplo, o poeta sírio Nizar Qabbani (1923-1998)

A sua peça Rituel pour une Métamorphose passa-se em Damasco, no fim do século XIX, e tem por enredo um caso de costumes que metamorfoseia os protagonistas de uma sociedade em crise. Não faltam um mufti ambicioso e concupiscente, uma dama que se torna cortesã, dignitários oportunistas e venais, casas de prostituição e mesmo a abordagem, coisa rara no teatro árabe da época (o original árabe é de 1994 - Tuqûs al-ishârãt wa al-tahawwulât), de um caso de homossexualidade.

Pela sua construção, pela riqueza do texto (na versão francesa, e certamente ainda melhor em árabe), pela originalidade do tema, esta obra de Saadallah Wannous é, sem dúvida, uma das melhores peças de teatro que li nos últimos anos.

domingo, 2 de junho de 2013


Conforme escrevemos anteontem aqui, a situação em Istanbul, Ankara, Izmir (Esmirna) e noutras cidades turcas é de grande contestação ao governo de Recep Tayyip Erdogan, excedendo as reivindicações a contestação à destruição do Parque Gezi, em Taksim. Os turcos, que elegeram por mais de uma vez o Partido AKP, do primeiro-ministro, votações especialmente maioritárias nos meios rurais, mais conservadores e menos "ocidentalizados", começam a dar-se conta da agenda secreta do partido islamista, que progressivamente vai introduzindo limitações em matéria de costumes, coisa que os turcos, designadamente os "herdeiros" de Atatürk, não estão dispostos a aceitar.

Segundo os órgãos de informação, a noite passada foi particularmente violenta, com dezenas de feridos, dois mortos e mais de 1.000 detenções. A célebre rua Istiqlal (Independência), artéria simbólica de Istanbul, onde se encontram muitas das principais lojas, restaurantes, livrarias,o célebre Liceu de Galatasaray, a Çiçek Passage (Passagem das Flores), etc., foi vandalizada. com muitas montras destruídas e semáforos arrancados. Há dezenas de viaturas incendiadas e verificaram-se diversas tentativas de assalto aos gabinetes de Erdogan em Istanbul e Ankara.

Milhares de cidadãos da parte asiática de Istanbul, que se dirigiam à zona europeia, utilizando a ponte sobre o Bósforo, foram impedidos pela polícia de atingir o seu objectivo.

Entretanto, o presidente da República, Abdullah Gül, recomendou contenção às forças policiais, pressionado por alguns governos da União Europeia.

Depois de mais de um milhão de pessoas nas ruas, nas diversas cidades, nada voltará a ser como anteriormente, para o governo de Erdogan.


O jogador sérvio do Partizan, Lazar Markovic, de 19 anos, está a ser disputado pelo Benfica e pelo Porto, não se sabendo ainda qual dos dois clubes virá a integrar o jovem no seu plantel.

Markovic joga igualmente na Selecção Nacional Sérvia onde ingressou em 2009. Desde os 12 anos que faz partedo FK Partizan, revelando-se uma promessa para o futebol mundial.

sábado, 1 de junho de 2013


Em livro recente, Au nom du Temple-Israël et l'irrésistible ascension du messianisme juif (1967-2013), Charles Enderlin, correspondente de France 2 em Jerusalém desde 1981, e autor de várias obras sobre o conflito israelo-palestiniano, debruça-se sobre o sionismo religioso crescente em Israel, que a partir da guerra de 1967 assumiu proporções assustadoras, não só relativamente à construção de colonatos, como às próprias tentativas de grupos judaicos de fazerem explodir a Cúpula do Rochedo e a mesquita de Al-Aqsa. Para estes extremistas religiosos, que em nada diferem dos fundamentalistas islâmicos, o objectivo final é a consolidação de Eretz Israel nos limites bíblicos, não só pela apropriação de Jerusalém-Leste (o que já se verifica) como pela completa integração no Estado judaico da Faixa de Gaza e da Cisjordânia (sempre referida como Judeia-Samaria) e, se possível, a anexação de territórios do Líbano, da Síria, da Jordânia e do Egipto.

Assim como os extremistas muçulmanos sonham com o restabelecimento do Califado, recuando aos primórdios do Império Otomano, também os extremistas hebraicos sonham com o regresso a um país cujas fronteiras estariam referidas na Torah. Com uma diferença face aos islamistas: enquanto o Califado foi uma realidade historicamente comprovada, o Grande Israel dos messianistas, assente num livro por excelência religioso, carece de fundamentos históricos indiscutíveis. Quando confrontamos os textos bíblicos com os dados históricos cientificamente provados, constatamos que as reivindicações judaicas pecam por generalizar situações que nunca corresponderam integralmente à realidade. Estamos, pois, perante uma tentativa de ajustar a História aos interesses presentes de algumas facções político-religiosas, porventura mais políticas de que religiosas. A leitura dos messianistas para impor a lei judaica é, afinal, idêntica à dos islamistas para impor a Sharia. Ambos recorrem à violência em defesa das suas convicções.

A páginas 111, Enderlin escreve: «Israël Hess, le rabbin aumônier du campus de l'Université religieuse Bar Ilan, a ainsi publié dans Bat Kol, l'organe des étudiants, un article intitulé "Le commandement du génocide dans la Torah". Il s'agit d'un commentaire des versets 25, 17-19 du Deutéronome. "Souviens-toi de ce que t'a fait Amalek au sortir de l'Égypte. Comme il t'a surpris chemin faisant, et s'est jeté sur tous les traînards, par-derrière. Tu étais alors fatigué, à bout de force, et lui ne craignait pas Dieu. Aussi lorsque l'Éternel, ton Dieu, t'aura débarassé de tous tes ennemis d'alentour, dans le pays qu'il te donne en héritage pour le posséder, tu effaceras la mémoire d'Amalek de dessous le ciel. Ne l'oublie point." Et aussi, Samuel 15, 3, Dieu à Saul: "Maintenant va frapper Amalek, et anéantissez tou ce qui est à lui. Qu'il n'obtienne point de merci! Fais tout périr, homme et femme, enfant et nourrisson, boeuf et brebis, chameau et âne."»  Aux yeux d'Israël Hess, toute nation qui déclare la guerre à Israël, comme Amalek, doit être détruite: homme, femme, enfant. Son texte s'achève ainsi: "Le jour viendra où nous serons appelés à réaliser le commandement divin de détruire Amalek". E ainda «À noter que ces commentaires bibliques étaient fondés sur les traités de Moshé Maïmonide, rabbin et philosophe juif médieval, qui fait jurispridence en matière de Halakha, la loi juive. Le professeur Yehoshafat Harkaby, grand arabisant et spécialiste du Proche-Orient, considère qu'en évoquant ces lois apportées à régir les relations entre la Terre sainte et les non-Juifs, Maïmonide n'avait à l'esprit que le royaume qui verrait le jour après la Rédemption, et non pas l'État d'Israël d'aujourd'hui.».

Os fundamentalistas religiosos desenvolveram sempre intensa actividade contra o sionismo laico, especialmente o de esquerda, do partido trabalhista. Mas, com o tempo, a situação agravou-se.  A matança no Túmulo dos Patriarcas, em Hébron, perpetrada em 25 de Fevereiro de 1994, por Baroukh Goldstein, de que resultaram 29 mortos e 125 feridos, foi um dos sinais de que a violência assumiria uma inusitada gravidade. Ela culminou com o assassinato do primeiro-ministro Yitzhak Rabin, em 4 de Novembro de 1995, na Praça dos Reis de Israel, em Tel-Aviv, por Yigal Amir, estudante da Universidade Bar Ilan, com o beneplácito de parte substancial dos rabinos que viam nos Acordos de Oslo, de 13 de Setembro de 1993, na proibição dos judeus rezarem na Esplanadas das Mesquitas, e da concessão de autonomia parcial a algumas zonas palestinianas, o caminho para a constituição de um Estado Palestiniano e por isso uma traição a Israel. Extremaram-se os campos, muito em parte devido ás posições do chefe do Likud, Benjamin Netanyahu, que se aproveitou do clima e de uma bem montada máquina de propaganda apoiada pelos judeus americanos, para defrontar Shimon Pérès nas eleições de 29 de Maio de 1996, e ganhar por 50,4 %, contra 49,5%, a primeira vez que os israelitas elegeram um chefe de Governo por sufrágio universal.

O assassinato de Yitzhak Rabin

O eminente historiador e politólogo judeu Zeev Sternhell considerou que a derrota da esquerda israelita começou com os acontecimentos de Hébron (pág. 172), tendo igualmente afirmado que a chegada de Netanyahu ao poder seria um desastre (pág. 224), como posteriormente se tem verificado, não só com ele como com os seus sucessores Ehud Barak, Ariel Sharon, Ehud Olmert, e, de novo, Netanyahu, em 2009.

 Em 15 de Setembro de 1998, na conferência anual dos Amigos do Templo, no Palácio da Nação, em Jerusalém, Hanan Porat, presidente da Comissão das Leis, na Knesset, regressa ao tema recorrente das implantações judaicas na Esplanada das Mesquitas. Na ocasião, Gershon Salomon, presidente dos Fiéis do Templo, declara: « La mission de cette génération est de libérer le Mont sacré, d'en finir avec l'abomination qui s'y trouve. Plus de dôme! Plus de mosquée mais l'emblème d'Israël et le Temple! Assez des rêves d'un Temple qui descendait du ciel!».

Tendo substituído Netanyahu, Ehud Barak vê-se constrangido a algumas concessões, pressionado que está por Bill Clinton, Em 4 de Setembro de 1999, é firmado em Sharm-el-Sheikh, o Memorando sobre a aplicação do calendário dos compromissos e acordos assinados e a retomada das negociações sobre o estatuto permanente, uma renegociação do acordo de Wye River, que deveria substituir o Acordo de Oslo.  Assinam-no Barak e Arafat. Seguem-se negociações inconsequentes. Barak culpa Arafat do fracasso. Mas sucede o pior. Em 28 de Setembro de 2000, Ariel Sharon resolve dirigir-se à Esplanada das Mesquitas: é o começo da Intifada de Al-Aqsa, com o seu cortejo de mortos e feridos. E, dissolvido o Parlamento, Sharon acaba por ser eleito primeiro-ministro em 6 de Fevereiro de 2001. São muitos os episódios que atravessam estes meses, mas deles não cabe aqui dar conta.

Entretanto, o sheikh Ahmed Yassine, líder espiritual do Hamas, é assassinado pelos israelitas em 22 de Março de 2004, e o seu sucessor, Abdel Aziz al-Rantisi, em 17 de Abril...

A retirada de Gaza, ordenada por Sharon , levantou as maiores resistências, quer nos movimentos religiosos, quer mesmo no seio de Tsahal; alguns oficiais recusam-se a cumprir a ordem de evacuar os colonos. Mas a votação na Knesset foi decisiva.

O movimento fundamentalista messiânico resolveu então ressuscitar uma instância superior espiritual e legislativa. Em 13 de Outubro de 2004, em Tiberíades, 71 rabinos promovem a criação do novo Sinédrio, tribunal supremo do povo judaico. Segundo a Bíblia, essa instituição, criada por Moisés depois da saída do Egipto, existiu até 429 E.C., quando a sua dissolução foi decidida por Teodósio II. No século XVI, o rabino Joseph Ephraïm Karo, tentou ressuscitá-la sem êxito. Os juízes modernos terão sido escolhidos depois de consulta a centenas de rabinos israelitas. Entre os eleitos figurou Yossef  Dayan, que segundo os seus colegas seria descendante directo do rei David e o candidato sonhado para se tornar o próximo rei de Israel. Dayan é o fundador do Malkout Israël, o movimento que tem por objectivo a instauração de uma monarquia no país e celebrizou-se por lançar uma maldição contra Ariel Sharon.

Devido a dificuldades de coligação governamental, Sharon decide abandonar o Likud e funda um novo partido, o Kadima (para a frente), mas devido a um acidente cerebral, 4 de Janeiro de 2006,  que o mergulhou em coma (estado em que ainda se encontra), foi substituído na chefia do governo por Ehud Olmert.

Depois da infausta, para Israel, guerra do Líbano, devido ao rapto, em 25 de Junho de 2006, do soldado Gilad Shalit, Olmert, e o seu ministro da Defesa, Amir Peretz, acabam por abandonar o poder, não sem terem desencadeado, desde 27 de Dezembro de 2008, a terrível operação contra Gaza, "Chumbo endurecido", de que resultaram cerca de 1.500 mortos palestinianos. As Nações Unidas nomearam o juiz sul-africano Richard Goldstone para inquirir da violação (comprovada) das leis humanitárias internacionais e das leis sobre os direitos do homem pela potência ocupante, Israel, contra o povo palestiniano em territórios palestinianos ocupados. O relatório da Comissão Goldstone foi francamente negativo para o estado judaico, mas Goldstone, que é judeu, acabaria por se retratar parcialmente, possivelmente devido a inconfessáveis pressões israelitas.

Nas eleições de 10 de Fevereiro de 2009, Netanyahu obtém maioria e o presidente Shimon Pérès encarrega-o de formar governo. A história mais recente é conhecida, desde o afrontamento a Obama na Casa Branca à criação de novos colonatos.

De tudo o que se escreveu, e do que por falta de espaço não se disse, decorre a tese central do livro de Charles Enderlin: a irresistível ascensão do messianismo judaico. É justo citar que os diversos governos israelitas, de esquerda ou até de direita, têm experimentado dificuldades face às atitudes dos rabinos mais extremistas que sustentam a Halakha, o corpo das leis judaicas, como superior às leis civis ou mesmo militares de Israel. E que instigam os próprios soldados a não cumprirem as instruções dos seus comandantes quando entendem que elas ferem o preceituado bíblico.

Esta imparável contaminação religiosa tem-se alargado a largos sectores da população, arriscando a transformar Israel, que se orgulha de ser a única democracia do Médio Oriente, num estado teocrático, na senda dos fundamentalismos do Irão xiita, da Arábia Saudita e países do Golfo sunitas, do expansionismo salafista, das seitas evangélicas americanas, grandes propagandistas do mais hipócrita dos puritanismos e até de largas faixas dos católicos e dos ortodoxos. O mundo monoteísta voltou a ser um lugar perigoso.

Para concluir, acrescentaria que o objectivo primeiro do messianismo hebraico é a eliminação dos símbolos islâmicos da Esplanada das Mesquitas, Haram al-Sharif, e a construção, no local, do Terceiro Templo de Jerusalém, aguardando a vinda do Messias. E, por acréscimo, a expulsão de todos os palestinianos da terra que consideram a Terra Prometida ao Povo Eleito, eventualmente para a Jordânia, como por diversas vezes foi aventado.

Por tudo isto, e para a compreensão dos acontecimentos que diariamente testemunhamos, importa ler este livro de Charles Enderlin.