quarta-feira, 17 de junho de 2009

A PAZ DE NETANYAHU


O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu proferiu no dia 15, na Universidade Bar-Ilan, em Telavive, um discurso aguardado com grande expectativa, na medida em que era considerado como a resposta ao discurso de Barack Obama, no passado dia 4, na Universidade do Cairo.


Numa alocução bem construída, Netanyahu, que começou por invocar os profetas de Israel, trouxe como única novidade ter-se referido, pela primeira vez, à constituição de um Estado Palestino, mas mediante condições que o próprio de antemão sabia serem insusceptíveis de aceitação por parte dos interessados.


Considera Netanyahu a possibilidade da criação de um Estado Palestino mas desmilitarizado: sem exército, sem o controlo do seu espaço aéreo, sujeito a medidas efectivas de segurança para impedir contrabando de armas e impossibilitado de estabelecer alianças militares.


Considera também que não há intenção de construir novos colonatos mas admite a extensão dos existentes a pretexto de razões de crescimento familiar. E que Jerusalém permanecerá una e indivisível como capital do Estado de Israel.


Considera, finalmente, que o problema dos refugiados terá de ser resolvido fora das fronteiras de Israel, já que Israel terá de continuar a existir como o Estado dos Judeus.


Propõe-se, ainda, Netanyahu negociar a paz com todos os países árabes que o desejem, mas exige o reconhecimento prévio de Israel. E, claro, recusa sentar-se a uma mesa em que estejam representantes do Hamas.


A tónica do seu discurso é posta numa melhoria das condições económicas dos territórios, favorecendo os palestinos, mas também os israelitas, aproveitando para tal a experiência bem sucedida dos países do Golfo.


Para além das sistemáticas rejeições enunciadas, nem uma palavra sobre o Muro, nem uma palavra sobre a ligação da Cisjordânia a Gaza, nem uma palavra sobre a circulação dos palestinos dentro da própria Cisjordânia, nem uma palavra sobre os direitos dos palestinos que vivem (como cidadãos de 2ª classe) em Israel, nem uma palavra sobre uma infinidade de matérias.


Por pressão de Obama, estava Netanyahu obrigado a referir-se ao Estado Palestino. Mas ao colocar as condições referidas, numa evidente manobra dilatória, procurou ganhar tempo, que é o que os israelitas têm feito ao longo das últimas décadas.


Voltou o primeiro-ministro israelita a invocar a História para reafirmar o direito dos Judeus à Terra de Israel, vinte séculos depois da Diáspora. E a relembrar as expulsões, pogroms, difamações e massacres que culminaram com o Holocausto. E regressa-se ciclicamente à questão: Quem chegou primeiro àquela região? E quantos anos de permanência garantem a posse?


Afinal, qual é a Paz de Netanyahu?


Decorridos sessenta anos sobre a proclamação do Estado de Israel, e atendendo à situação no terreno, não é naturalmente fácil encontrar-se, de súbito, uma solução conveniente. Mas todas as acções dos sucessivos governos israelitas têm tido por objectivo tornar essa solução cada vez mais difícil e distante. Nunca haverá paz com Muro (e, designadamente, com este Muro); não haverá paz com meio milhão de judeus vivendo nos colonatos, ainda que se possa admitir a manutenção de alguns colonatos em troca de terras; não haverá paz com a descontinuidade geográfica entre a Cisjordânia a Faixa de Gaza; não haverá paz com Jerusalém unificada como capital de Israel, ainda que se possa admitir que Jerusalém retome o estatuto de cidade internacional previsto na Resolução 181 das Nações Unidas, com Telavive como capital, que o é, de Israel e com uma outra cidade como capital da Palestina; não haverá paz sem uma solução justa para o problema dos refugiados, ainda que se admita como impossível que todos (ou seus descendentes) regressem à terra mãe.


Sobre tudo isto, não falou Benjamin Netanyahu.


Espera-se que a pressão internacional, não só da nova administração norte-americana, mas da União Europeia (ou de alguns países que a integram) e da Rússia, e porque não da Turquia, da China, ou mesmo da Índia, possa obrigar o governo israelita àquilo que, outrora denominado “dolorosas concessões”, é realmente o verdadeiro caminho para um autêntico processo de paz.



3 comentários:

Anónimo disse...

Assaz sensato post.A questão Palestina/Israel é a principal causa,embora não a única,da degradação do relacionamento Ocidente-Mundo Árabe e Islâmico,com prejuizos talvez irreparáveis para a posição "ocidental" no planeta.E "ocidental" aqui significa a defesa das liberdades individuais,do laicismo do estado,da democracia no sentido euro-americano. Alienando a maioria das populações islâmicas,dando pretexto à fundamentalização de regimes,o Ocidente enfraquece a sua influência internacional,e quando houver acordos,estes surgirão mais como sinais de fraqueza,do que sucederia se tivessem sido antes negociados em posição mais forte. A célebre "Decadência do Ocidente" iniciou-se claramente em 1914,e pelos vistos, com maior ou menor aceleração,não parece deter-se. Espero não estar cá para ver nem para viver em regimes orwellianos. Entretanto,vamos aproveitando o que ainda há,e felizmente é bastante,e dançando à beira do vulcão.

Bruna disse...

Gostaria de saber mais sobre o autor do blog, como posso fazer?

Do Médio-Oriente e afins disse...

Para Bruna:

Pode colocar as suas questões na caixa de comentários.

Obrigado.